Companhias inglesas começam a abandonar divulgação de curto prazo

Captação de recursos/Internacional/Edição 139 / 1 de março de 2015
Por 


Em novembro, a Financial Conduct Authority (FCA) permitiu às empresas do Reino Unido suspender a publicação de resultados trimestrais. A licença segue a advertência do economista John Kay, para quem a elaboração desses documentos desperdiça o tempo da administração com análises de curto prazo.

A medida, embora controversa, ganha adeptos. Uma delas é a transmissora e distribuidora de energia elétrica National Grid, integrante do índice FTSE 100. Até o início de fevereiro, ela era a maior companhia aberta a desfrutar da autorização, segundo a IR Magazine. Espera-se que sua representatividade encoraje outras empresas a seguir o exemplo. Entre as que já demonstraram interesse em abolir os relatórios trimestrais estão a companhia de água United Utilities e a empresa de investimento British Land.

A decisão de aderir a esse movimento, no entanto, dependerá menos do apoio moral que da natureza de cada negócio. A National Grid tem como característica o investimento de longo prazo em ativos, produzindo retornos de baixo risco para os investidores. Por isso, acredita que atualizações trimestrais de seus resultados são desnecessárias. Na outra ponta, companhias atuantes em indústrias mais dinâmicas podem ter uma visão diferente de quantas vezes precisam divulgar seus resultados para manter os investidores bem-informados. Outras empresas devem, ainda, manter a frequência para não desagradar aos acionistas americanos, acostumados a essa prática.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais Reino Unido curto prazo FCA resultado trimestral Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
A concentração do direito de voto é uma tendência?
Próxima matéria
Dê a sua opinião!



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
A concentração do direito de voto é uma tendência?
A volta do pêndulo Durante vários anos, o pêndulo das boas práticas de governança apontou na direção do conceito...