Boca no trombone

Captação de recursos/Seletas/Edição 125 / 1 de janeiro de 2014
Por 


Ilustração: Beto Nejme /Grau 180.com

A fusão entre Oi e Portugal Telecom, anunciada em outubro, continua dando o que falar. No mês passado, a Amec enviou uma carta à CVM e ao Ministério Público alertando que a operação beneficia os controladores em detrimento dos minoritários. No documento, questiona diversas etapas do negócio, como a assunção da dívida dos atuais controladores da Oi pela companhia portuguesa e a avaliação dos ativos da PT a serem usados num aumento de capital. Também chama a atenção para o fato de, semanas antes de anunciar a fusão, os executivos da Oi terem se blindado por meio de contrato de indenidade que complementa o seguro D&O, conforme noticiou a capital aberto em novembro. “Esse fato pode ser interpretado como uma forma de influenciar o exercício dos deveres fiduciários dos conselheiros na análise da reestruturação. É crucial que a CVM se debruce sobre a questão”, escreveu Mauro Cunha, presidente da Amec.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Oi CAPITAL ABERTO mercado de capitais D&O Amec fusão Portugal Telecom contrato de indenidade Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Sinal vermelho
Próxima matéria
Revendo conceitos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Sinal vermelho
Duas empresas de Alexandre Azambuja tiveram os pedidos de registro de companhia aberta negados pela CVM, em dezembro....