Após maior IPO do mundo, Alibaba oferece riscos

Captação de recursos / Internacional / Edição 134 / 1 de outubro de 2014
Por 


apos-maior-ipo-do-mundoNúmeros grandiosos, à altura das cifras comuns na China — país de origem do site de comércio Alibaba. Essa foi a marca da abertura de capital da companhia na Nyse, em 19 de setembro. A maior listagem já realizada no mundo levantou US$ 25 bilhões, ao preço de US$ 68 por ação. Não apenas o valor é alto; a desconfiança também.

De acordo com o estatuto, o conselho do Alibaba, com nove cadeiras, terá 44% de seus membros indicados por um grupo de 27 sócios, composto pelo fundador Jack Ma e por outros executivos. Essa fatia pode atingir 55% no futuro, independentemente da participação econômica dos 27. O desalinhamento, segundo a consultoria MSCI, não é o único risco a que a empresa e, consequentemente, seus investidores estão expostos. Ainda não sabe, por exemplo, como o Alibaba se sairá na integração das inúmeras empresas que adquiriu nos últimos 18 meses, nem como melhorará seu fraco controle de privacidade. Hoje, detém dados de 279 milhões de compradores.

Ilustração: Eric Peleias


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Governança Corporativa conselho de administração Nyse CAPITAL ABERTO mercado de capitais uma ação um voto Alibaba MSCI Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Companhias pagam caro para brigar com ativistas
Próxima matéria
Quem avisa amigo é




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Companhias pagam caro para brigar com ativistas
As batalhas com investidores ativistas em 2014 custaram, em média, US$ 4,9 milhões para as empresas americanas. É o que revela...