A invasão da Bolsa

Um conturbado evento político acabou por expulsar a Bolsa do Rio de sua primeira sede, a Praça do Comércio (1820-1821)

Captação de recursos/Histórias/Edição 140 / 1 de abril de 2015
Por 


historias140A Praça do Comércio, primeira sede da Bolsa do Rio, foi abandonada por corretores e comerciantes em abril de 1821. Projetada pelo arquiteto Auguste Grandjean de Montigny, a edificação mais moderna e imponente da cidade tivera solene inauguração nove meses antes, em julho de 1820, por ninguém menos que o rei Dom João 6º.

O Rio de Janeiro vivia a efervescência prévia à constitucionalização da monarquia absolutista portuguesa. Uma reunião política foi convocada para o prédio. Montaram-se arquibancadas em seu interior, de forma que o povo pudesse assistir ao encontro, a ocorrer num fim de tarde. Alguns agitadores convidaram claques organizadas para o evento, com a intenção de constranger os eleitores e subverter a ordem estabelecida.

Sem policiamento, mal se instalou o debate e a pressão das galerias manipuladas se transformou em coação física irresistível. A sessão terminou por se tornar uma assembleia popular, autêntico soviete, que deliberou a adoção imediata, no Brasil, da Constituição Espanhola e a proibição da partida da corte para Lisboa. Uma comissão dirigiu-se, às 10 horas da noite, à Quinta da Boa Vista para comunicar as decisões. Dom João 6º acedeu, como era de seu feitio, editando imediatamente um decreto que admitia a Carta de Espanha. Mas o primogênito, Dom Pedro, prestes a assumir a regência do Reino do Brasil, não se conformou e preparou a resistência.

Às 5 horas da manhã do domingo, 22 de abril, uma tropa militar atacou e invadiu a sede da Bolsa do Rio com intensa fuzilaria. As versões mais corriqueiras dão conta de um morto: o negociante de vinhos Miguel Feliciano de Souza, que fornecera à plateia, gratuitamente, barris de vinho de seu armazém, e assim contribuíra para aquecer os ânimos do encontro.

Os eventos foram, incontestavelmente, traumáticos. No dia seguinte, a parede externa da construção de Grandjean de Montigny amanheceu pichada com os termos “açougue real”. E a consequência notória foi que nunca mais o mercado voltou ao local. As reuniões diárias retornaram a lugares abertos, como as imediações da Alfândega ou o Largo da Batalha, junto ao Morro do Castelo, onde aconteceriam pelos anos seguintes.

O imóvel permaneceu desocupado até 1824, quando Dom Pedro, já imperador, o incorporou à alfândega da capital de então. O prédio resistiu ao tempo e, hoje, bem-conservado, é um polo cultural conhecido como Casa França Brasil, em frente à Igreja da Candelária, no centro da cidade do Rio de Janeiro.

Montagem com fotos extraídas da Wikipédia e do site Freeimages.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Praça do Comércio CAPITAL ABERTO mercado de capitais Bolsa do Rio Auguste Grandjean de Montigny Dom João 6º 1821 Dom Pedro Reino do Brasil Miguel Feliciano de Souza açougue real Constituição Espanhola Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Nova Instrução 409 muda o arcabouço da indústria de fundos
Próxima matéria
Erguendo a barra



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Nova Instrução 409 muda o arcabouço da indústria de fundos
A Instrução 409, principal arcabouço regulatório da indústria de fundos de investimentos, está de cara nova. Depois...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}