Caminho natural

FIR Capital prepara integradora de serviços em tecnologia da informação Cyberlynxx para um futuro IPO no mercado de acesso

Gestão de Recursos/Especial/Reportagens/Private Equity e Venture Capital 2010/Temas / 1 de novembro de 2010
Por 


 

Fundada em 1999, a integradora de serviços em tecnologia da informação (TI) Cyberlynxx tem planos ambiciosos para o futuro. Quer obter no mercado de capitais os recursos para montar operações no México, na Colômbia, no Chile e na Argentina. Depois, o objetivo é aterrissar nos Estados Unidos, onde pretende criar demanda para os seus produtos. “Não queremos simplesmente ter um escritório por lá”, ressalta Marcelo Astrachan, presidente da Cyberlynxx.

Para concretizar o plano, a Cyberlynxx espera contar com a expertise da companhia de investimento em participações FIR Capital. O montante investido pelo fundo Fundotec II em maio deste ano não foi revelado, mas representa 25% do capital da Cyberlynxx, cujo faturamento, em 2009, foi de R$ 20 milhões. Criado em setembro de 2007 para investir em negócios inovadores em todo o território nacional, o Fundotec II tem capital comprometido de R$ 77,4 milhões. Além da FIR Capital, estão dentre seus cotistas o Banco do Brasil, o Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife, a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), os fundos de pensão Funcef, Petros e Previ, e outros investidores privados.

Uma parte do montante recebido foi usada pela Cyberlynxx para reforçar sua equipe de funcionários. Outra, deve ser direcionada para novas aquisições. “Estamos ganhando mais escala e devemos terminar este ano com faturamento de R$ 45 milhões a R$ 50 milhões”, estima Astrachan. Para o próximo ano, a expectativa é elevar as receitas para R$ 70 milhões com a compra de novas empresas.

O plano da FIR Capital e da própria Cyberlynxx é que a empresa esteja preparada, a partir de 2012, para listar ações na Bolsa. O Bovespa Mais, segmento da BM&FBovespa direcionado a pequenas e médias empresas com elevado potencial de crescimento, é visto como a melhor opção. Nesse ambiente, a negociação das ações é feita por meio de leilões agendados, o que não impede a realização de operações de compra e venda durante o pregão quando houver demanda. O Bovespa Mais também oferece outros incentivos, como prazos maiores para adequação das demonstrações financeiras e para alcance do free float mínimo.

Segundo Marcus Regueira, sócio da FIR Capital, muitas empresas que abriram o capital nos últimos anos não conseguiram valorizar suas ações porque escolheram entrar em segmentos de bolsa aplicáveis a empresas de maior porte. “Com isso, várias delas ficaram sem liquidez”, observa o gestor. Segundo ele, as condições de mercado é que vão dizer se, em 2012, a Cyberlynxx poderá ter suas ações negociadas no Bovespa Mais. “Acredito que, em dois anos, o segmento estará suficientemente fortalecido para receber pequenas e médias empresas. Mas se as condições forem desfavoráveis, adiaremos a abertura de capital”, afirma. Desde 2008, a fabricante de insumos de fertilizantes Nutriplant é a única integrante do Bovespa Mais.

O potencial de crescimento do setor de tecnologia da informação justifica o otimismo dos investidores com a Cyberlynxx. Uma pesquisa feita pela consultoria A.T. Kearney mostrou que o volume de negócios gerado por serviços de TI no mundo chegará a US$ 101 bilhões este ano. Somente o mercado brasileiro de TI — que representa 3,5% do nosso PIB — faturou cerca US$ 60 bilhões em 2009 e exportou US$ 3 bilhões em serviços de tecnologia, segundo dados da Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom). A perspectiva da entidade é que o mercado brasileiro de TI, hoje o oitavo maior do mundo, alcance, em dez anos, o quarto lugar.

Para Astrachan, as vantagens competitivas do Brasil nesse mercado são a competência técnica, a boa plataforma de serviços e os custos acessíveis. Para se diferenciar dos concorrentes de maior porte, a Cyberlynxx aposta na atuação de nichos não explorados. “Estamos desenvolvendo um projeto de redes sociais no mundo corporativo para ganhar dos grandes”, revela o executivo. Recentemente, a empresa fechou uma parceria com a norte-americana Authenware Corporation para distribuir no Brasil uma solução de biometria comportamental. A ferramenta verifica através da identificação do padrão e do ritmo de uso do teclado se um serviço está sendo executado pelo usuário indicado para a função. Os clientes-alvo são os bancos e setores públicos, em que a segurança é um requisito fundamental.

A FIR Capital não revela quando pretende vender sua participação na Cyberlynxx, mas uma possibilidade seria fazer isso na abertura de capital da empresa. “A estratégia de saída passa por um eventual IPO, mas costumamos olhar nossos investimentos por um período de quatro a seis anos”, diz Regueira. A prioridade é, por enquanto, aprimorar a gestão da empresa. Pelas regras de investimento do fundo, a Cyberlynxx teve de adotar algumas práticas de companhia aberta. Dentre elas, instalar um conselho de administração e um comitê de auditoria. A iniciativa, garante Regueira, foi vista com bons olhos pelos empreendedores. “Quando a Cyberlynxx ganhar musculatura, a Bolsa vai ser um caminho natural.”


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  private equity venture capital investimentos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Cruzando fronteiras
Próxima matéria
Reinvenção bem-sucedida



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Cruzando fronteiras
  Era o fim de 2009 quando a gestora de recursos Jardim Botânico Investimentos decidiu, por meio de uma emissão...