BSM vê indícios de infrações com operações de alta frequência

Captação de recursos/Temas/Edição 105 / 1 de maio de 2012
Por 


As operações de alta frequência (HFT, na sigla em inglês), que permitem ganhos em frações de segundo, ganharam terreno na BM&FBovespa há cerca de três anos, após a Bolsa expandir a capacidade de seu sistema eletrônico de negociação. De lá para cá, as discussões sobre os perigos do uso abusivo de ordens super–rápidas só fizeram aumentar mundo afora, principalmente após o episódio conhecido como Flash Crash, em maio de 2010, que derrubou o índice Dow Jones em alguns minutos. Por aqui, as operações HFT ainda não preocupam muito por serem limitadas — em torno de 10% dos negócios. Mas a BM&FBovespa Supervisão de Mercados (BSM), divisão da Bolsa que fiscaliza as transações do pregão, já percebeu uma elevação dos indícios de irregularidade depois de inserir as operações de alta frequência em seu radar. “Não podemos dizer que se trata de infrações concretas, mas houve aumento de casos atípicos”, diz o diretor de autorregulação da BSM, Marcos José Rodrigues Torres.

“Atípicos” são aspectos de operações que sugerem a ocorrência de fraude ou manipulação do mercado, como uma grande de ofertas disparadas — e canceladas antes da execução do negócio — com o intuito exclusivo de influenciar artificialmente o preço de determinada ação. “Até o momento, descartamos todas as suspeitas analisadas”, assegura Torres. Não se sabe se o aumento seria, por exemplo, apenas uma questão de programação da ferramenta de monitoramento, que está em implantação preliminar. As operações HFT começaram a ser avaliadas no fim de 2011, quando a Bolsa passou a usar um sistema eletrônico de fiscalização fornecido pela Nasdaq OMX. Segundo Torres, mais estudos sobre isso serão feitos ao longo deste ano. Com tecnologia de ponta e equipe treinada — o número de funcionários na área subiu de 78, em 2011, para 110, em 2012 —, a BSM quer estar pronta para ser capaz de fiscalizar, inclusive, mercados concorrentes que surgirem no País. “Somos os mais preparados para isso”, diz o executivo. Para expandir a fronteira de supervisão no futuro, a BSM precisaria da concordância da Bolsa e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM Flash Crash HFT Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Joga pedra na Geni
Próxima matéria
A dica do arroz



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Joga pedra na Geni
O IPO da fabricante de jogos para internet Zynga na Nasdaq foi seguido de queda nas ações e muita reclamação nas redes...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}