Brasileiras são destaque de ranking global de TSR

Bimestral / Relações com Investidores / Temas / Internacional / Edição 75 / 1 de novembro de 2009
Por 


Levantamento do Boston Consulting Group (BCG) colocou a mineradora Vale em quarto lugar na lista de 25 grandes empresas do mundo todo que entregaram os retornos mais consistentes e regulares nos últimos dez anos (de 1999 a 2008). Nesse período, a companhia teve um total shareholder return (TSR) médio de 17,8%, acima do Ibovespa, ficando atrás apenas da britânica British American Tobacco e das norte-americanas Apple e Gilead Sciences, cujos TSRs foram 17,9%, 25,1% e 36,4%, respectivamente, superiores aos índices das bolsas de seus países. O índice considera o retorno total da ação — valorização em bolsa e dividendos distribuídos.

Na seleção para o ranking, entraram apenas companhias com capitalização de mercado de, pelo menos, US$ 30 bilhões. “Quanto maior a empresa, mais difícil se torna exceder as expectativas do investidor e entregar TSRs consistentes ano após ano”, afirma o texto do relatório. Outro requisito da lista foi de que a companhia tivesse TSR superior ao índice local por, pelo menos, seis dos dez anos analisados. Nesse quesito, a Gilead Sciences foi a única companhia a reportar TSR positivo nos dez anos.

A Vale bateu o Ibovespa em oito ocasiões.

O BCG também analisou o desempenho das companhias por setor de atuação, dentre os anos de 2004 e 2008. No setor de transporte e logística, a concessionária de rodovias CCR ficou com o lugar mais alto do pódio, com TSR de 36,2%. Em bens de consumo, a AmBev ficou na décima posição, com TSR de 14,8%. A Net ficou em nono no setor de mídia. No setor de mineração, destacaram-se duas brasileiras: a CSN em quarto (TSR de 28,1%), e a Usiminas, em décimo (TSR de 19,7%). Duas representantes também figuraram no setor de papel e celulose — Klabin em quarto (12,1%) e Suzano, em oitavo (3,7%).



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
De portas abertas
Próxima matéria
Reino Unido quer proibir auditorias de ter dupla função




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
De portas abertas
Para atender ao interesse crescente do investidor europeu e, sobretudo, do alemão, por papéis de companhias dos mercados...