Crescimento de ativos de longo prazo tende a desacelerar

Considerando fundos e ETFs, estimativa é de avanço de 7,4% ao ano até 2026



Crescimento de ativos de longo prazo tende a desacelerar
Imagem: freepik

O ritmo de crescimento dos ativos de longo prazo sob gestão no mundo deve desacelerar nos próximos anos, na comparação com o ritmo que vem sendo verificado desde 2017, de acordo com levantamento da empresa de pesquisas ISS Market Intelligence. A estimativa é de que eles registrem uma expansão anual média de 7,4% entre 2021 e 2026, bem menos que o aumento médio de 13,1% registrado no período que vai de 2017 a 2021.

Ajuda a explicar esse prognóstico, de acordo com a ISS Market Intelligence, o fato de a exuberância dos mercados, com valorizações expressivas dos ativos nos últimos anos, aparentemente estar perto de um esgotamento. Enquanto no intervalo de cinco anos encerrado em 2021 essas altas foram responsáveis por 70% do aumento do valor dos ativos de longo prazo, até 2026 o cálculo é de que essa fatia vai recuar para 60%. Em outras palavras, isso significa que mercados mais fracos terão um impacto importante sobre as carteiras de longo prazo.

Desafio para gestores

Esse novo cenário, na avaliação da ISS Market Intelligence, vai exigir um esforço maior dos gestores. “Com mercados mais fracos, uma parcela maior do crescimento no futuro tende a vir de novos aportes dos investidores. Essa realidade pode representar uma potencial oportunidade para assets que já têm uma distribuição adequada de produtos, mas igualmente pode significar uma ameaça para aquelas que têm se desdobrado para crescer organicamente”, analisa Christopher Davis, head de pesquisa de fundos da ISS Market Intelligence nos Estados Unidos.

De acordo com o levantamento, sem poder contar com mercados em constante alta, os gestores precisarão se ancorar na própria capacidade de aumentar as vendas dos produtos de investimento. O trabalho foi feito com base em projeções de retorno e volatilidade de 25 bancos, gestoras de ativos e family offices.

Situação um pouco melhor deve ser a dos ETFs, embora eles também devam apresentar um ritmo mais lento de crescimento. Essa modalidade de investimento (fundos de índices) deve corresponder a 33% do total de ativos de longo prazo em 2026, ante 25% em 2021. A ausência de cobrança de taxas para as negociações continua sendo um dos principais atrativos dos ETFs, e um desafio adicional para os gestores ativos de carteiras.

Leia também

Os erros que impedem as empresas médias de serem vendidas

Revolução quantitativa ronda crédito privado

Informações sobre ESG no formulário de referência só a partir de 2023


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Tendências que os investidores devem acompanhar em 2022
Próxima matéria
Que venha 2022, ano de reconstrução



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Tendências que os investidores devem acompanhar em 2022
Imagem: freepik Pelo segundo ano consecutivo, a pandemia de covid-19 remodelou as economias, acelerando transformações...