Boicotes

Empresas por vezes criam as próprias armadilhas

Bolsas e conjuntura/Crônica / 15 de fevereiro de 2019
Por 


Boicotes

Ilustração: Rodrigo Auada

No final de 2018, uma cadela morreu, aparentemente após ser golpeada pelo segurança de conhecida rede varejista. São acontecimentos comuns. Nas lojas, nos bancos e em casas noturnas, também os humanos são vítimas, muitas vezes por suspeitas infundadas, revelando as orientações equivocadas desses truculentos seguranças. Parecem, como está na moda dizer, pitbulls.

Em outra vertente, marcas de luxo não hesitam em esfolar e jogar fora. A centenária Burberry colocou ambientalistas em pé de guerra, ao anunciar a incineração do equivalente a 28 milhões de libras esterlinas em produtos não vendidos, muitos confeccionados com peles de animais.

Problemas da espécie ocasionam boicotes dos consumidores, especialmente nesses tempos de comércio pet friendly estimulando a afeição dos humanos pelos bichos.

Ao contrário, as fraudes da Volkswagen na emissão de poluentes ou o explosivo Galaxy Note 7, da Samsung, não provocaram boicotes aos produtos dessas marcas. As reações são mais frequentes quando se trata de agressões aos animais.

A questão, para o mercado, é a possibilidade de a administração prevenir tais reações, evitando perda de receita, que penaliza os acionistas. Nos recentes casos de corrupção envolvendo gigantes empresariais, ações judiciais movidas por investidores resultaram em indenizações. Na hipótese dos boicotes previsíveis (como consequência de condutas inaceitáveis), essa possibilidade deve ser seriamente considerada pela governança.

O tema comporta variações. Na política, por exemplo, o leque é amplo. Geralmente, o boicote é praticado nas eleições, por meio dos votos nulos, brancos e abstenções que, no último pleito presidencial brasileiro, somaram 42,1 milhões (21,3% dos eleitores). Essas opções certamente decorrem da percepção crescente de que os governos se mostram insensíveis, ou incapazes, em face das demandas coletivas.

Os papéis podem se inverter, como aconteceu há 70 anos, nos EUA, durante o macartismo. O esperto senador McCarthy promoveu boicotes, perseguições e até prisões, contra quem (segundo ele) desenvolvia atividades antiamericanas. Gente do cinema foi boicotada, não pela má qualidade ou por atitudes reprováveis, mas por opções políticas. Coisas assim demonstram, na prática, o postulado de Giacomo Matteotti — o fascismo não é uma opinião, é um crime.

Só quando o presidente Kennedy assumiu, aquela caça às bruxas, mostrada em filmes como Nosso Amor de Ontem (1973), Testa-de-ferro Por Acaso (1976), Uma Carta para Elia (2010) e Trumbo (2015) foi varrida. Pena que, periodicamente, se repita, aqui e ali.

Trotsky dizia que o fascismo é a tática de reserva da chamada burguesia. Pode ser, pode não ser, mas realmente é intrigante a leniência com que as sociedades absorvem ideias extremistas, um fenômeno observado em todas as camadas sociais. Talvez seja coisa de raiz que, vez em quando, sai do armário, feito epidemia, como mostrou Bertolucci no filme O Conformista (1969).

Coco Chanel, a lendária estilista, era antissemita, colaboracionista, foi amante de um espião nazista e trabalhou para a Abwehr. Ao final da Segunda Guerra, chegou a ser detida pela Resistência e, em 1946, interrogada no Tribunal de Paris, revelou-se também uma mentirosa descarada.

Mesmo naqueles tempos, não se tem notícia de boicote aos produtos com seu nome. E o Chanel nº 5 ainda perfuma o mundo.


Carlos Augusto Junqueira de Siqueira, advogado, é autor da seção “Crônica”, publicada a cada dois meses na Capital Aberto


Leia também

As destruições provocadas por figuras como Xerxes e Eike Batista

As surpresas que vêm depois das eleições

O insider e as fake news não vão desaparecer, mas talvez alguns espertos se deem mal


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Samsung Volkswagen Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Siga a panapaná da era da informação
Próxima matéria
O valor da narrativa



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Siga a panapaná da era da informação
Na teoria do caos, o “efeito borboleta” designa uma das características fundamentais dos sistemas dinâmicos não...