Bancas brasileiras ganham destaque em ranking de M&A

Gestão de Recursos/Internacional/Temas/Edição 62 / 1 de outubro de 2008
Por , e


A despeito de ter sido turbulento, 2008 rendeu bons frutos aos escritórios de advocacia brasileiros nas operações de fusão e aquisição (M&A, na sigla em inglês). Levantamento feito pela Mergermarket constatou a presença de duas bancas brasileiras dentre as dez principais na América do Sul e América Central, no quesito volume financeiro das operações (veja quadro acima).

O escritório Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados participou como assessor jurídico de cinco operações de M&A, cujo valor total transacionado ultrapassou os US$ 6,5 bilhões. Um dado notável foi o salto que a banca paulista obteve de um ano para cá, pulando da 57ª posição para a 5ª colocação.

Logo atrás veio o escritório Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados, que assessorou duas operações, num total de US$ 6,1 bilhões. No ano passado, a firma estava na 42ª posição. O primeiro lugar ficou com a norte-americana Shearman & Sterling, cujos serviços estiveram presentes em seis transações, que movimentaram US$ 13 bilhões.

Quando o critério é o número de operações, mais três firmas brasileiras entram no ranking das “dez mais”: Tozzini, Freire, Teixeira e Silva Advogados (3º lugar, com seis operações), Pinheiro Neto Advogados (5º lugar, com seis operações, mas volume menor) e Barbosa, Müssnich & Aragão Advogados (7º lugar, com cinco transações), além do Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga, que ficou em sexto com suas cinco operações.

No ranking mundial, a Linklaters pendurou a medalha de ouro, com 186 negócios, que envolveram cifras superiores a US$ 570 bilhões.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  M&A fusão e aquisição Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Índia ultrapassa China em captação de private equity
Próxima matéria
Fundos soberanos criam código de governança



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Índia ultrapassa China em captação de private equity
O fundos de private equity parecem mais animados com as perspectivas de crescimento de empresas indianas do que com o das chinesas....