Baixo nível de informação sobre a diversidade do board



Em seu primeiro ano de divulgação sobre as formas como tratam o tema da diversidade em seus conselhos de administração, as companhias abertas norte-americanas deixaram a desejar. Essa foi a constatação de um trabalho feito pela instituição independente de pesquisas em governança corporativa The Corporate Library.

Os problemas começam na forma como as empresas enxergam a diversidade. Quando exigiu o disclosure de informações sobre o tema, em dezembro do ano passado, a Securities and Exchange Commission (SEC) pediu às próprias companhias que definissem o que é diversidade em sua visão. “Muitas respostas foram genéricas demais”, criticou a instituição, que analisou os materiais de convocação de assembleia (documento no qual essas informações devem constar) de 388 empresas do índice S&P500. A companhia de alimentos Dean Foods, por exemplo, disse que “procura conselheiros com diversas bagagens, habilidades e experiência”.

Apesar de muitas empresas mencionarem critérios como idade, sexo e raça na contratação de conselheiros, nenhuma parece dar importância a profissionais com deficiência física ou orientação sexual diversa.

Outra deficiência constatada é a falta de profundidade na análise dos benefícios proporcionados pela diversidade. Houve, basicamente, dois tipos de resposta: a da companhia que vê uma maior disponibilidade de conhecimentos variados melhorando o nível do board, e a daquela que entende que a diversidade de opiniões enriquece o processo de decisão.

A The Corporate Library rebate: “Como as empresas podem afirmar que um afrodescendente contribui mais ou menos que um homem branco? Um conselheiro que represente uma minoria e seja bem-sucedido pode acabar tendo pensamentos elitistas iguais aos dos outros profissionais”.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  conselho de administração SEC Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Iosco orienta países emergentes a lidar com derivativos de balcão
Próxima matéria
SEC quer mais transparência dos consultores de voto



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Iosco orienta países emergentes a lidar com derivativos de balcão
A crise financeira global serviu, dentre outras coisas, para acender o sinal de alerta para os pouco regulados derivativos...