As ofertas estão de volta

Empresas listadas na bolsa retomam captações; para as novatas, os títulos de dívida ainda são mais indicados

Captação de recursos/Temas/Edição 70 / 1 de junho de 2009
Por 


A escassez de ofertas iniciais de ações (IPO) pode estar com os dias contados. No mês passado, a VisaNet oficializou, junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), um pedido de registro. A companhia pretende ingressar no Novo Mercado com uma emissão exclusivamente secundária. A disposição de ser o primeiro IPO do ano tem explicações. Entre os acionistas vendedores estão a Columbus, controlada pelo Bradesco; a BB Investimentos, do Banco do Brasil; a SIP, empresa de participações do grupo Santander; a REB, também do Santander; além da Visa International. O mercado especula que a operação alcançaria a casa dos R$ 9 bilhões, cifra que renderia recursos significativos para as instituições financeiras.

Neste ano, a única a encarar o desafio de uma oferta pública durante a crise internacional foi a Redecard. Aberta desde 2007, a companhia fez a sua terceira captação em bolsa. Espera-se que a VisaNet e seu IPO sejam uma exceção, e que as próximas ofertas venham, assim como a da Redecard, de companhias já listadas. “Estamos trabalhando em duas ofertas, ambas follow on”, conta Ronald Herscovici, sócio do Souza, Cescon Avedissian, Barrieu e Flesch Advogados. Pelo mesmo caminho vai o escritório Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados, que trabalha atualmente em três operações: duas ofertas subsequentes, além da VisaNet.

A construtora MRV Engenharia, em reunião do conselho de administração realizada no último dia 29, decidiu emitir ações primárias. Do mesmo setor, a Gafisa informou a intenção de vender ações primárias que totalizariam entre R$ 600 milhões e R$ 700 milhões. A Natura, em fato relevante, comunicou que seus acionistas controladores contrataram assessores financeiros para estudo de uma oferta secundária. Além destas, a Brasil Foods (BRF), companhia que será resultado da união entre Sadia e Perdigão, aprovou emissão de R$ 4 bilhões.

Para as empresas que ainda não abriram o capital, a rota mais utilizada tem sido a emissão de títulos de dívida, especialmente debêntures e notas promissórias. “O volume aumentou, especialmente depois da flexibilização das regras da CVM para as ofertas com esforço restrito de venda”, comenta Renato Ximenes, sócio da área de mercado de capitais do Mattos Fillho.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  bolsa de valores Abertura de capital/ IPO Guia de Captações de Recursos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Contra a maré
Próxima matéria
Sem sucesso



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Contra a maré
Menina dos olhos das companhias abertas durante o boom dos IPOs, a área de Relações com Investidores (RI) foi uma das primeiras...