Antes de sair, Cox quer implantar mais regras para derivativos

Gestão de Recursos/Internacional/Temas/Edição 64 / 1 de dezembro de 2008
Por , , e


Antes de deixar o posto de presidente da Securities and Exchange Commission (SEC), Christopher Cox pretende promover uma série de reformas para fechar o cerco contra o mercado de derivativos — um dos principais desencadeadores da recente crise financeira global.

No dia 14 de novembro, Cox assinou um memorando de entendimento entre a SEC, o conselho do Federal Reserve e a Commodity Futures Trading Commission (CFTC), para facilitar a cooperação entre as agências no tratamento de informações relativas a credit default swaps (CDS). “A não-regulação do mercado de CDS teve participação considerável na crise de crédito. Trazer esse mercado às claras é de vital importância”, disse Cox no site oficial da SEC.

A iniciativa prevê a criação de uma “contraparte central” específica para CDS. Trata-se de um órgão para fazer a intermediação entre compradores e vendedores e garantir as operações. Entre suas principais obrigações estariam o cálculo, o controle e a mitigação de riscos. Várias instituições já estão sendo avaliadas, de forma que uma contraparte central comece a funcionar antes de 2009.

Outro desejo do presidente da SEC é unificar reguladores de mercado antes de sua despedida do órgão, em janeiro de 2009. Ao juntar SEC e CFTC debaixo do mesmo teto, Cox pretende eliminar ruídos de comunicação entre as duas agências, especialmente no que tange à jurisdição sobre CDS.

A união de reguladores depende de aprovação no congresso. Pelo fato de janeiro já estar muito próximo, este último desejo de Cox soa impossível. A recente discussão sobre a ajuda financeira à indústria automotiva, contudo, poderá forçar uma sessão no congresso antes de janeiro. Nancy Pelosi, porta-voz da casa, já avisou que a fusão regulatória está na agenda de discussões do encontro.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  investimentos Derivativos Securitização Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Novos índices para investimentos em sustentabilidade
Próxima matéria
A crise dos derivativos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Novos índices para investimentos em sustentabilidade
A sustentabilidade está a todo vapor, com novos índices dedicados ao segmento. Em novembro, a Nasdaq lançou seu mais recente...