Abalos criam novas oportunidades para os FIDCs, diz gesto

Captação de recursos/Temas/Edição 62 / 1 de outubro de 2008
Por  e


A crise financeira internacional não demorou a respingar sobre as captações de empresas brasileiras. Sem o capital das ofertas públicas iniciais de ações (IPOs), a opção natural seriam as emissões de dívida, mas o setor produtivo tem agora dificuldade para oferecer os prêmios exigidos pelo mercado. Em setembro, a Localiza Rent a Car adiou uma emissão de debêntures de R$ 300 milhões. A Sabesp possui uma oferta em análise na CVM, na qual cogita pagar até 120% do CDI aos investidores.

“Uma saída mais barata é colocar garantias na capitalização”, aconselha Marcelo Xandó, sócio-diretor da Verax Serviços Financeiros. Para isso, ele recomenda os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDCs), veículos lastreados em recebíveis. Segundo ele, a desconfiança sobre os créditos que alimentaram as securitizações nos Estados Unidos não impactou esse produto no Brasil. Ao contrário, Xandó espera que a crise atraia um novo perfil de cliente para os FIDCs. “São empresas com cerca de R$ 100 milhões de faturamento anual, recebíveis de qualidade e dificuldade de se financiarem via bancos.” Mas esse movimento não é tão rápido. Muitas empresas nessas condições ainda não possuem rating, uma exigência do regulador para emitir FIDCs.

Xandó descarta a possibilidade de a redução nas concessões de crédito a pessoa física afetar o mercado de FIDCs no curto prazo. Emprego e renda passaram incólumes pela crise até agora, ressalta o gestor. Ele também não observa uma fuga de investidores institucionais por medo da qualidade do crédito. “O movimento é contrário. Vejo institucionais tirando recursos da renda variável e aportando nos produtos de renda fixa, que oferecem retorno mais elevado.” Atualmente, 15 ofertas de FIDCs — com volume total de R$ 1,3 bilhão — aguardam registro na CVM.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Ambev Agra Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Crise hipotecária abre mais espaço para os fundos PE
Próxima matéria
Dúvidas sobre impactos fiscais da nova lei contábil chegam ao fim



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Crise hipotecária abre mais espaço para os fundos PE
A turbulência financeira mundial abriu uma nova janela para o crescimento dos fundos de private equity (PE) no mundo e no Brasil....
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}