Ações da CCR sobem após acordo de 81,5 milhões com Ministério Público

Os principais acontecimentos para o mercado de capitais na semana de 26 a 30 de novembro

Semana / 30 de novembro de 2018
Por 


Ilustração: Julia Padula

Na quinta-feira, 29, a concessionária CCR celebrou acordo de leniência com o Ministério Público de São Paulo (MPSP). A empresa irá para pagar multa de 81,5 milhões de reais para encerrar inquérito — originado a partir de investigações da Lava Jato — que apurava esquema milionário de distribuição de propinas em troca da obtenção de contratos públicos. A investigação começou após o empresário e operador financeiro Adir Assad, delator na Lava Jato, revelar ao MPSP que a CCR pagou caixa dois a políticos de diferentes partidos, como PSDB, PMDB, PSD e PTB.

Assim que comunicou a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) sobre o acordo, o preço da ação da concessionária na B3 disparou, encerrando o pregão com valorização de 11,2%. A alta deve-se ao fato de analistas terem considerado o valor baixo. Cotado a 12,74 reais no fim do dia, o papel liderou as altas do Ibovespa e garantiu à empresa ganho estimado de 2,6 bilhões de reais em valor de mercado.

26.11

– Juiz Paulo Furtado de Oliveira Filho, da 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, aceita pedido de recuperação judicial da Saraiva. A rede de livrarias, a maior do País, tem dívida acumulada em torno de 675 milhões de reais.

– Tecnisa anuncia que voltará ao mercado de lançamentos imobiliários no primeiro semestre de 2019 por meio de joint venture com o fundo H.I.G. Capital, da qual terá 20% de participação. Leia reportagem sobre a situação da Tecnisa.

– Microsoft volta a ser a empresa americana com maior valor de mercado, ultrapassando a Apple. Ela encerrou o pregão avaliada em 817,29 bilhões de dólares, frente aos 828,64 bilhões de dólares da Apple.

27.11

– Light informa que não avalia mais a possibilidade de captar recursos por meio de oferta pública de ações ancorada por fundos de investimento liderados pela GP Investments.

– Petrobras sofre nova derrota em discussão bilionária sobre aluguel de plataformas petrolíferas no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). A 2ª Turma da 4ª Câmara da 3ª Seção do órgão manteve integralmente uma cobrança de PIS/Cofins no valor de 2,22 bilhões de reais e a maior parte de uma outra, no valor de 4,97 bilhões, sobre o pagamento de Cide.

28.11

– Dufry informa que pediu cancelamento de seu registro de emissora estrangeira categoria “A” na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e deslistagem na B3.

–  Board da Petrobras aprova o encerramento das atividades do comitê especial que atuava como interlocutor das investigações independentes realizadas pelos escritórios Trench, Rossi e Watanabe e Gibson, Dunn & Crutcher LLP, por causa das irregularidades descobertas pela Lava Jato. Segundo o comunicado, as atividades do comitê passam a ser executadas pela diretoria de governança e conformidade da companhia.

29.11

– Suzano Papel e Celulose e Fibria informam que a autoridade da concorrência da União Europeia aprovou a fusão entre as empresas. A autorização estava sujeita ao encerramento — como remédio para a operação — do contrato para fornecimento de celulose de fibra curta firmado entre a Fibria e Klabin em maio de 2015. Com isso, todas as autoridades responsáveis aprovaram a operação, prevista para ocorrer em janeiro.

– International Meal Company (IMC), dona das redes Viena e Frango Assado, informa que a Superintendência Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, a oferta pública para aquisição de ações (OPA) da companhia pela Abanzai, controladora da Sapore. A aquisição não foi fechada ainda e depende do posicionamento dos acionistas da IMC sobre poison pill prevista no estatuto.

– Em assembleia, acionistas da Smiles aprovam modificação no estatuto da empresa que permitirá a criação de um comitê independente para negociar as condições de sua incorporação pela Gol, sua controladora. Caberá ao grupo negociar e sugerir as condições para que a operação siga adiante.

30.11

– Após uma década, Paul Polman, CEO da Unilever, deixará o cargo em janeiro. Ele será substituído por Alan Jope, executivo responsável pela divisão de beleza e cuidados pessoais.

– Em assembleia geral extraordinária, acionistas da Telefônica Brasil dão aval à incorporação da subsidiária Telefônica Data (TData). A operação já havia sido aprovada pelo board da companhia em outubro. A Telefônica Data controla o portal de internet Terra e a empresa Telefônica Transporte Logística.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  ccr Fibria Light Suzano Microsoft Dufry Tecnisa Telefónica Unilever B3 IMC Sapore Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Brasil perto de lei para agências reguladoras
Próxima matéria
Twitter de Musk causa nova polêmica



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Brasil perto de lei para agências reguladoras
Bons serviços públicos todo mundo quer. Saúde, transporte, energia, mercados financeiros, tudo precisa funcionar bem....
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}