Surpreso com os bilhões ou com os R$ 500 do caso Petrobras?

18/11/2014

Sem categoria / 18 de novembro de 2014
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


O que mais surpreendeu nesta história toda de Petrobras nos últimos tempos?

Não foi a empresa ter perdido R$ 350 bilhões (70% de seu valor de mercado) em seis anos.

Não foi também ela ter atingido o múltiplo de quatro vezes a dívida sobre seu Ebitda, vendo o grau de investimento ser ameaçado.

Muito menos, tampouco, foi a companhia estar no centro de mais um grande escândalo de corrupção nacional que começa a ser investigado, com o envolvimento de políticos, diretores e empreiteiros.

O que realmente causa espanto é esse episódio ter lembrado ao mercado de capitais brasileiro que a multa para uma empresa aberta que publique seu balanço após o prazo máximo permitido (45 dias contados a partir do enceramento do trimestre) é de apenas R$ 500 por dia.

Portanto, o episódio Petrobras serviu para nos mostrar que, se qualquer empresa negociada em Bolsa “se atrasasse”, hipoteticamente, um ano (!) para divulgar o balanço, a multa cobrada pela CVM seria de apenas R$ 182.500 (500 x 365).

Esse valor é infinitamente inferior ao custo de constituição e manutenção de uma área contábil confiável e de um competente departamento de relação com os investidores que atenda bem os acionistas, sobretudo em empresas do porte da petrolífera brasileira. Portanto, dada a multa ínfima, por que tanto trabalho?

É claro que a conta não é tão simples assim. O mercado penaliza duramente as empresas que não seguem essa regra básica de governança, qual seja, a publicação de balanço no prazo estabelecido por lei. Porém, está mais do que na hora de a CVM implodir esse incentivo inverso, aumentando exponencialmente o custo do erro e da má administração para quem seguir esse caminho. E que os recursos auferidos sejam destinados a projetos de popularização do investimento em ações ou de regulação de mercados.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Petrobras CAPITAL ABERTO mercado de capitais multa Corrupção publicação de balanço Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Atraso de ITR da Petrobras vira assunto em rede social estrangeira
Próxima matéria
Na vanguarda




Recomendado para você




2 comentários

Nov 27, 2014

A multa cominatória aplicada pela CVM não deve ser confundida com sanção imposta pelo regulador após o devido processo legal. Assim, diante de um descumprimento de suas regras, mesmo após a aplicação da multa, que diga-se de passagem se esgota em 60 dias, a CVM pode instaurar um processo sancionador e ao final aplicar as penas estabelecidas na Lei nº 6385/76.


Nov 24, 2014

Caro Alexandre, tudo bem?

Num contexto geral, comparado a outros países, as multas aplicadas pela CVM não estão aquém do ideal?

Grande abraço!



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Atraso de ITR da Petrobras vira assunto em rede social estrangeira
A Petrobras é capa de jornais e dos principais portais de notícia do país. Não é para menos. Todos os dias surgem mais...