Quando o Estado reparte o bolo e escolhe o pedaço

11/11/2014

Sem categoria / 11 de novembro de 2014
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Em tempos de empresas estatais “desgovernadas”, uma sugestão de leitura é o livro Evolução do direito societário: lições do Brasil, de Mariana Pargendler. Indicado como finalista do prêmio Jabuti de 2014, o livro aborda, entre outros temas, a forma como o Estado vem exercendo (disfuncionalmente) o duplo papel de acionista controlador e regulador do mercado de capitais.

No caso brasileiro, desde o século 19 até os dias de hoje, sempre que é chegada a hora de repartir o bolo e escolher o pedaço, o Estado controlador não tergiversa antes de pegar o maior. Em uma linguagem menos metafórica, as regras de proteção das minorias acionárias tendem a ser flexibilizadas ou revogadas sempre que se colocam de encontro com o interesse do poder público de ampliar a apropriação dos benefícios decorrentes do controle.

O exemplo mais escandaloso foi, sem dúvida, a reforma de 1997. No contexto das privatizações, com o objetivo de reduzir a dívida pública, ela excluiu: 1. o direito de retirada dos acionistas dissidentes no caso de cisão; e 2. o direito de venda conjunta dos ordinaristas minoritários pelo mesmo preço pago ao bloco de controle pela sua alienação. O caso recente mais relevante foi a capitalização da Petrobras, operação cujo conjunto de maldades com os demais acionistas da estatal não cabem neste simples comentário.

A adaptação da legislação para acomodar os interesses estatais (ao custo dos interesses minoritários privados) sempre encontra defensores. Seus argumentos vão desde a prevalência do interesse público sobre o particular até à demonização do investidor privado. O lado perverso desse processo é que as estruturas expropriativas criadas pelo Estado e para o Estado, a partir de situações específicas, permanecem como direito positivo ou viram precedentes. Com isso, o que era casuístico passa a ser a regra geral e, assim, transforma-se em instrumento para que controladores privados ampliem o processo de apropriação de valor das companhias abertas.

Nessa qualidade, alerta Mariana, “como a legislação societária exige, em princípio, a participação igualitária nos lucros da empresa por todos os acionistas, em direta proporção à sua participação acionária, os benefícios privados do controle serão tão maiores [para os controladores] quanto menos efetiva for a proteção jurídica aos investidores minoritários”.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais Estado privatizações bloco de controle Minoritários capitalização da Petrobras Evolução do direito societário: lições do Brasil Mariana Pargendler Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Economistas usam redes sociais para falar de temas complexos
Próxima matéria
Próximo chairman da Usiminas pode ser escolhido por minoritários




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Economistas usam redes sociais para falar de temas complexos
Os economistas e gestores de recursos brasileiros têm cada vez mais usado as redes sociais para discutir suas pautas. Monica...