Petrobras, o sonho, a realidade e São Tomé

04/11/2013

Sem categoria / 31 de outubro de 2013
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Alexandre Póvoa*/ Ilustração: Julia Padula

O comportamento altista das ações da Petrobras foi o grande destaque da última semana do mês de outubro na Bovespa. Mais até do que a derrocada dos papéis da OGX e o pedido de recuperação judicial mais antecipado da história.

Se na OGX o futuro parece cada vez mais sombrio, no caso da Petrobras, apesar da luz no fim do túnel, há muito mais perguntas do que respostas. A empresa, após um resultado péssimo no terceiro trimestre, com grande destruição de caixa oriunda do segmento de importações, anunciou que votará, na reunião do conselho de administração do próximo dia 22, a proposta de uma nova política de preços. Pelo que tem sido veiculado, trata-se de uma equiparação do preço praticado internamente com as cotações dos derivados negociados no mercado internacional (sistema bem semelhante ao adotado na época do governo Fernando Henrique Cardoso), o que seria altamente positivo para a companhia. Mesmo que a sistemática represente uma correção apenas parcial e defasada no tempo, já seria uma ótima novidade para o caixa da Petrobras.

Essa notícia soa como música no ouvido dos investidores. Será que finalmente a empresa voltará a ter seus fundamentos regidos pelas leis de mercado? Será que as ações de Petrobras voltarão a ter correlação óbvia positiva com o preço do petróleo, como qualquer empresa normal do ramo?

O grande xis (sem trocadilhos) da questão é o seguinte: como pode ser crível que o controlador majoritário, o governo, que nos últimos anos segurou os preços da Petrobras como estratégia clara de não pressionar ainda mais a inflação — já que o BC só recentemente parece ter reassumido o seu papel de guardião da moeda —, possa, de uma hora para outra, aceitar uma quase indexação do preço dos combustíveis?

O mercado fez uma enorme festa, as ações subiram muito, mas eu teria cautela. Ninguém duvida das potencialidades da Petrobras, mas também não é prudente acreditar em mudanças comportamentais tão radicais em espaço de tempo tão curto. Essa atitude repentina pró-empresa, diametralmente oposta àquela tomada nos últimos tempos, apesar de todas as justificativas técnicas, merece uma posição de São Tomé: ver para crer!




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  OGX Petrobras CAPITAL ABERTO mercado de capitais política de preços São Tomé Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
A bolsa brasileira e a política
Próxima matéria
Insider trading



1 comentário

Nov 05, 2013

Concordo com o Póvoa. Está muito bom para ser verdade essa história de reajuste automático do preço dos combustíveis. Vai totalmente contra tudo o que foi pregado nos últimos anos e que destruiu bilhões de valor de mercado da empresa. Só se aprenderam com os erros, mas não acredito nessa visão otimista.



Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
A bolsa brasileira e a política
Alexandre Póvoa*/ Ilustração: Julia Padula Entra ano, sai ano, e não conseguimos pensar em bolsa de valores sem falar...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}