O voto de confiança da S&P

27/3/2015

Sem categoria / 27 de março de 2015
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Alexandre Póvoa*/ Ilustração: Julia Padula

O voto de confiança da Standard & Poor’s (S&P), reafirmando a nota do País com perspectiva estável, foi muito importante para o mercado brasileiro neste momento. Não que alguém esperasse para o curto prazo algum movimento de rebaixamento, mas acho que não se contava com uma resposta “positiva” de forma tão rápida, da mais importante agência de classificação de risco.

Em relação à Petrobras, a mudança da perspectiva de estável para negativa mostra até boa vontade da S&P. A paciência da agência com a empresa, afogada num mar de denúncias de corrupção e de potenciais perdas de todos os lados, mostra que a confiança em Joaquim Levy e equipe transborda os limites do Ministério da Fazenda, contaminando positivamente a expectativa pela virada de governança nas empresas estatais.

A missão inicial de Levy de evitar a queda da nota soberana brasileira parece ter sido cumprida. No entanto, o risco-Petrobras ainda é grande demais para ser ignorado. A contaminação no risco-país é totalmente plausível, caso o balanço não seja apresentado e aprovado até maio. O trabalho silencioso de Almir Bendine (desapareceu da mídia) se justifica por ser a publicação de um balanço crível um fato prioritário e, mesmo, pré-condição para o resgate da credibilidade de Petrobrás.

Portanto, confirmada a impressão do empurrão com a barriga do problema do racionamento de energia para mais uma roleta-russa em 2016, resta um olho em Bendine e o outro no PMDB.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Petrobras CAPITAL ABERTO mercado de capitais Joaquim Levy Standard & Poors rebaixamento Ministério da Fazenda Almir Bendine Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
O caminho das pequenas empresas para o mercado de capitais
Próxima matéria
A volta do pêndulo



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
O caminho das pequenas empresas para o mercado de capitais
Leitores, gostaria de compartilhar com vocês o esforço que algumas entidades fazem para tentar desenvolver o nosso...