O voto de confiança da S&P

27/3/2015

Sem categoria / 27 de Março de 2015
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


O voto de confiança da Standard & Poor’s (S&P), reafirmando a nota do País com perspectiva estável, foi muito importante para o mercado brasileiro neste momento. Não que alguém esperasse para o curto prazo algum movimento de rebaixamento, mas acho que não se contava com uma resposta “positiva” de forma tão rápida, da mais importante agência de classificação de risco.

Em relação à Petrobras, a mudança da perspectiva de estável para negativa mostra até boa vontade da S&P. A paciência da agência com a empresa, afogada num mar de denúncias de corrupção e de potenciais perdas de todos os lados, mostra que a confiança em Joaquim Levy e equipe transborda os limites do Ministério da Fazenda, contaminando positivamente a expectativa pela virada de governança nas empresas estatais.

A missão inicial de Levy de evitar a queda da nota soberana brasileira parece ter sido cumprida. No entanto, o risco-Petrobras ainda é grande demais para ser ignorado. A contaminação no risco-país é totalmente plausível, caso o balanço não seja apresentado e aprovado até maio. O trabalho silencioso de Almir Bendine (desapareceu da mídia) se justifica por ser a publicação de um balanço crível um fato prioritário e, mesmo, pré-condição para o resgate da credibilidade de Petrobrás.

Portanto, confirmada a impressão do empurrão com a barriga do problema do racionamento de energia para mais uma roleta-russa em 2016, resta um olho em Bendine e o outro no PMDB.



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Petrobras CAPITAL ABERTO mercado de capitais Joaquim Levy Standard & Poors rebaixamento Ministério da Fazenda Almir Bendine Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
As boas cartas
Próxima matéria
O caminho das pequenas empresas para o mercado de capitais




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
As boas cartas
O ano de 2014 foi desanimador para quem investe em ações: de janeiro até 16 de dezembro, o Ibovespa acumulou baixa de 2,55%....