Gestores fogem da acomodação e investem em junk bonds

1°/11/2014

Gestão de Recursos / Sem categoria / Reportagem / 31 de outubro de 2014
Por 


JGP Crédito, ASK, Vision, Blackwood e G5 Evercore são exemplos de gestoras brasileiras interessadas no nicho de high yield bonds. Enquanto nos Estados Unidos as firmas voltadas a esse setor compram, basicamente, bonds com risco maior, aqui, para ter chances de alto retorno, é preciso expandir o cardápio. A JGP, por exemplo, foca títulos de dívida de empresas que podem ou não estar em recuperação judicial. Já a ASK se volta para fundos de investimento em direitos creditórios (FIDCs). E a Vision compra recebíveis de ações judiciais ganhas contra companhias ou o Estado (precatórios) ou de empresas em recuperação judicial.

A maioria dessas casas surgiu nos últimos cinco anos e tem uma história similar à de muitas gestoras de recursos criadas recentemente para investir em ações. Foram fundadas por ex-funcionários de instituições financeiras que decidiram juntar seus milhões e gerir os próprios fundos. Uma de suas peculiaridades é contar com departamentos jurídicos robustos, com seis a oito pessoas dedicadas a analisar termos de decisões e sentenças judiciais ou avaliar o risco de perda na compra de um crédito de uma empresa com problemas financeiros, por exemplo.

Uma das principais motivações para investir em high yield é o desejo de estar num setor com menos competidores. “Das companhias listadas em bolsa, considero apenas 30 realmente boas e líquidas. É muito pouco produto para os milhares de fundos que existem no mercado”, observa Valério Marega, sócio da ASK Brasil, que possui hoje patrimônio de R$ 156 milhões. “Nosso objetivo é montar uma carteira que renda de 25% a 30% ao ano. Pretendemos oferecer mais que os 17% a 25% dos fundos de private equity, já que nosso risco é maior”, acrescenta.

Na próxima edição da CAPITAL ABERTO, saiba mais sobre como atuam esses investidores e os desafios que enfrentam.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  FIDC ASK debênture investimento crédito high yield bonds JGP Crédito Vision Blackwood e G5 Evercore gestoras de recursos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Proporção de mulheres em conselhos é recorde nos EUA
Próxima matéria
Dê a sua opinião!




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Proporção de mulheres em conselhos é recorde nos EUA
Nunca tantas mulheres foram indicadas para ocupar cadeiras em conselho de administração quanto em 2014. Dos candidatos...