Esse incrível mercado americano

18/10/2013

Sem categoria / 2 de setembro de 2013
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Alexandre Póvoa*/ Ilustração: Julia Padula

Impressionante como o mercado dos Estados Unidos absorveu bem todo esse processo de fechamento do governo federal e teto da dívida. Por mais que aquele velho papo — “no final, tudo se resolve” — tenha passado na cabeça de todos, os investidores demonstraram sangue-frio impressionante. Afinal, foram 16 dias de governo fechado e quase 24 horas do limite da irresponsabilidade do governo americano para anunciar um default. Imaginem a consequência desses atos no preço dos ativos de países emergentes?

Quem achou que o mercado havia simplesmente antecipado tudo se enganou novamente. As bolsas mundiais continuam subindo, recorde atrás de recorde, apesar de os recentes dados econômicos não serem muito alvissareiros. A primeira safra dos resultados das empresas no terceiro trimestre, ao contrário do que se observou no segundo, está vindo acima das expectativas. Pelo menos, para nós, brasileiros, a China parece continuar firme e forte, acima do piso aceitável de 7% anuais de crescimento.

Certamente, o próximo capítulo importante dessa novela será escrito no dia 30 de outubro, quando mais uma vez o Federal Reserve (Fed) se pronunciará sobre o tapering (redução da compra de títulos do Tesouro), depois de passada a tempestade política americana. Aí, tome discurso dos presidentes do Fed, dólar provavelmente para cima e investidores inseguros de novo. Números mais fortes da economia serviriam para acalmar a inevitável transição para um nível de juros mais elevado no mundo desenvolvido. Quem viver verá.

Enquanto isso, no Brasil, vivemos da já trágica — para a credibilidade do Ibovespa como índice — história da OGX, do leilão de Libra na segunda e de um BC que cada vez mais retoma o seu papel de guardião da meta de inflação. Mas esses são os próximos assuntos para o blog.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Estados Unidos CAPITAL ABERTO mercado de capitais China dívida Fed governo americano Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Adolpho Julio C. de Carvalho
Próxima matéria
CorpRisk 2013



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Adolpho Julio C. de Carvalho
Advogado aeronáutico, de esportes, de comércio internacional e de direito aduaneiro