Dois processos para a CVM reinventar as estatais

25/11/2014

Sem categoria / 25 de novembro de 2014
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


O Brasil tem um regime diferenciado para as sociedades de economia mista (caso de Petrobras, Eletrobras, Banco do Brasil, etc.). Ele permitiria ao poder público controlador afastar a empresa daquilo que seria do melhor interesse dela e “orientar as atividades da companhia de modo a atender ao interesse público que justificou a sua criação”, de acordo com o artigo 238 da Lei das S.As.

O que isso significa, nem a CVM sabe bem. Até hoje, a autarquia nunca se propôs a entender e explicar os limites da atuação do Estado enquanto acionista controlador. Entretanto, a circunstância deve mudar com o julgamento de dois processos paradigmáticos:

O primeiro envolve a Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae), sociedade controlada pelo governo do estado de São Paulo que atua na geração de energia. No processo administrativo sancionador (PAS) RJ2012/1131, discute-se, entre outras questões, se o poder público poderia submeter a estatal a relações não comutativas com outras empresas por ele controladas. Segundo um relatório da CVM, estaria ocorrendo a “captação de águas realizada pela Sabesp em reservatórios pertencentes à Emae sem qualquer remuneração, afetando, inclusive, a geração de energia elétrica que faz parte de seu objeto social”.

O segundo caso diz respeito à Centrais Elétricas Brasileiras S.A. (Eletrobras), sociedade controlada pela União que atua na geração, na transmissão e na distribuição de energia. O PAS RJ2013/6635 analisa se as regras de impedimento de voto em conflito de interesse aplicam-se ao poder governamental. Conforme outro relatório da CVM, o governo federal aprovou a renovação antecipada de contratos de concessão entre ele próprio, como poder concedente, e a Eletrobras, enquanto concessionária. O ponto fundamental é que a renovação implicaria a adesão

da estatal a uma nova metodologia de cálculo (menos favorável para ela) da indenização devida pela União por investimento em bens ao fim da concessão.

Nos dois processos, o controlador justifica seu comportamento como uma legítima submissão da estatal ao atendimento do interesse público. Em ambos, o mercado encontra dificuldades em identificar de que maneira seria atendido o interesse público que justificou a criação das respectivas empresas. No fim deles, a CVM, ao balizar como o Estado deve exercer a sua função de controlador, irá reinventar a forma como devem ser geridas as estatais ou, ao menos, esclarecerá para os investidores onde é que eles estão se metendo.

Nota: O blogueiro advogou em ambos os processos citados neste comentário, representando o interesse de acionistas minoritários das duas companhias.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Eletrobras CVM Sabesp estatais CAPITAL ABERTO mercado de capitais governo federal Emae governo do estado de São Paulo interesse público Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Para o bem e para o mal
Próxima matéria
Governança Corporativa (destaques encontro 26/11)




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Para o bem e para o mal
Para um gestor de fundos de hedge americanos, ser ativista é um passaporte para a fama. Mas será que eles conseguem mesmo...