Como justificar os atuais preços no mercado de renda fixa – Parte 2

13/09/2013

Sem categoria / 30 de agosto de 2013
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Alexandre Póvoa*/ Ilustração: Julia Padula

Hoje, pelo menos sob a ótica de preços de mercado, parece que grande parte do processo de ajuste da economia brasileira foi deixada para trás nos últimos anos. Apesar dos evidentes problemas e erros conjunturais de gestão, utilizando uma lente histórica mais ampla, é inegável que avançamos no controle da inflação, na responsabilidade fiscal, no fortalecimento da democracia com a alternância de poder — e pouco espaço para a viabilização política de aventureiros —, na  emergência de uma classe média forte com o avanço do crédito, na consolidação de um sistema financeiro robusto, na redução da pobreza extrema, no acúmulo importante de reservas internacionais e em alguns avanços, ainda tímidos, na educação. Algumas perguntas devem ser respondidas para explicar (ou justificar) a atual precificação no mercado de renda fixa:

– O Brasil terá sua nota de avaliação de crédito rebaixada em breve pelas agências de rating? Provavelmente sim.

– Perderemos o chamado grau de investimento? Dado o comparativo do nível de solvência brasileiro, é muito pouco provável.

– O Banco Central (BC) não possui o mesmo grau de independência do passado e cometeu um grave erro ao reduzir os juros agressivamente a partir de agosto de 2011? Sim.

– O BC continuará a ser leniente com o quadro inflacionário? Acredito que a autoridade monetária usará integralmente o grau de liberdade que ainda possui (um dígito de taxa Selic) e elevar a taxa básica a 9,75% ao ano até o final de 2013. Talvez não seja o suficiente, mas pelo menos pode encaminhar o processo de convergência lenta do IPCA ao centro da meta em 2014-2015.

– O real está entre as moedas que mais se desvalorizaram no mundo, também por “motivos brasileiros”, e ainda pode buscar outros patamares (R$ 2,50-2,60 por dólar) antes de se estabilizar, provavelmente em um nível mais baixo? Sim.

– Dados o déficit de transações correntes de 3,7% do PIB e a redução de atratividade para capitais externos, há risco de descontrole cambial no Brasil? Muitíssimo pouco provável.

– Em relação aos preços, há possibilidade de a inflação continuar bem acima do centro da meta nos próximos dois anos, sobretudo a partir de um novo nível de câmbio? Sim. Dada a leniência do BC e do governo nos últimos anos e a não colaboração fiscal das autoridades, o custo para se trazer o IPCA de volta a 4,5% anuais será bem maior.

– O Brasil está condenado a conviver nas próximas duas décadas, como aponta o mercado, com taxas de inflação acima de 6% ao ano? Uma resposta afirmativa seria muito prematura, até porque o nível de crescimento baixo, que representa uma má notícia, pode ajudar o controle inflacionário nos próximos meses.

– A qualidade da política macroeconômica piorou e contribui decisivamente para um quadro de baixo crescimento com inflação alta? Com certeza, sim.

– O Brasil está condenado a essa situação adversa, trazendo os mesmos riscos de insolvência do passado? No mínimo, é muito cedo para dizer isso.

A situação brasileira até as eleições de 2014 pode ser vista sob o prisma do “copo meio cheio ou meio vazio”. A tese dos mais otimistas indica que o governo, se quiser ganhar a eleição ano que vem, terá que fazer o dever de casa macroeconômico para que a inflação chegue ao final de 2014 sob controle e os impactos sobre o emprego sejam suportáveis, ajudando na recuperação da popularidade da presidenta. Para a maioria mais pessimista, há até medo de que os erros da política fiscal e monetária se aprofundem até o fim de 2014, trazendo preocupantes riscos para crescimento e inflação.

Há, entre os locais, uma preferência pelo “copo meio vazio”, sentimento que vem se reverberando para os estrangeiros, o que espalha um viés altamente pessimista em relação ao Brasil. Logo, é importante o investidor redobrar a atenção para oportunidades, porque parece que estamos começando a entrar em zonas de overshooting de preços no mercado brasileiro de renda fixa.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Renda fixa Banco Central inflação Rating IPCA câmbio dólar real governo regime de metas Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Grupos Societários: Análise do modelo da Lei 6.404/1976
Próxima matéria
Não - Números nebulosos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Grupos Societários: Análise do modelo da Lei 6.404/1976
Passados 29 anos da vigência da Lei 6.404/1976, necessária uma análise critica do modelo não definitivo sobre grupos...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}