A crescente relevância da China na América Latina

7/4/2014

Sem categoria / 7 de abril de 2014
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Recentemente atualizado com dados de 2013, o China–Latin America Finance Database, do Inter American Dialogue, é o único banco de dados on-line com informações chinesas financeiras atualizadas para a América Latina e o Caribe. A base de informações interativa apresenta mais de US$ 100 bilhões em compromissos de empréstimo para America Latina e países caribenhos, pesquisável por país, emprestador/credor, setor e ano.

Vale destacar que:

• Financiamentos chineses para países da America Latina atingiram US$ 20,1 bilhões em 2013, mais que o triplo do valor registrado em 2012. Os principais beneficiários em 2013 foram Venezuela, Equador, Argentina e Brasil.

• Esses valores chegaram a US$ 37 bilhões em 2010 — mais que Banco Mundial, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Banco de Exportação e Importação dos Estados Unidos (Eximbank) juntos naquele ano.

• Bancos chineses tendem a focar em setores de infraestrutura, ou em recursos naturais. De 2005 até o presente momento, as instituições do país financiaram US$ 54,4 bilhões em projetos de infraestrutura. Projetos de energia responderam por US$ 26,3 bilhões dos custeios chineses na região.

• Instituições financeiras chinesas bancam um grupo diverso de países que não são cobertos por Banco Mundial, BID e bancos norte-americanos e europeus. Argentina, Equador e Venezuela, que não podem acessar facilmente os mercados de capital, são um foco de atuação dos asiáticos na América Latina.

• A maioria dos empréstimos internacionais da China tem origem via Banco de Desenvolvimento da China (China Development Bank, ou CDB), com US$ 78,3 bilhões desde 2005, e Banco de Exportação e Importação da China (China Exim Bank), com US$ 10,2 bilhões. Ambos foram criados como “política de crédito” para apoiar os objetivos do governo chinês. O CDB geralmente oferece taxas mais altas que suas contrapartes internacionais. As taxas bancárias do China Exim são ligeiramente mais baixas que as do Eximbank americano.

Esses números atestam a importância da China para nossa região e indicam a grande sensibilidade das economias latino-americanas em relação ao comportamento da economia chinesa. Vale lembrar que, hoje, as exportações de produtos brasileiros para aquele país representam quase duas vezes as nossas vendas para os Estados Unidos.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Estados Unidos América Latina CAPITAL ABERTO mercado de capitais China CBD Banco Mundial Banco de Desenvolvimento da China Banco de Exportação e Importação da China BID China–Latin America Finance Database Eximbank Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Compliance como meta para bônus: faz sentido?
Próxima matéria
1ª Conferencia EFFAS_Taking ESG into Account - TESGIA




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Compliance como meta para bônus: faz sentido?
Desde a entrada em vigor da Lei Anticorrupção, em janeiro, a instalação de programas de compliance deixou de ser encarada...