Temer assina projeto de lei para privatização da Eletrobras

Confira os destaques da semana de 15/1 a 19/1

Semana / 22 de janeiro de 2018
Por 


O presidente Michel Temer assinou e encaminhou ao Congresso Nacional, em 19 de janeiro, o projeto de lei que trata da privatização da Eletrobras. De acordo com o texto, a desestatização será feita por meio de um aumento de capital mediante subscrição pública de ações ordinárias, com possível realização de oferta secundária de ações de posse da União. O modelo prevê também que o governo federal manterá o controle da Eletronucluear e da Itaipu Binacional. O projeto chega ao Congresso em regime de urgência e deve ser apreciado em 45 dias.

 

15/01

– Petrobras e Total anunciam acordo, como parte da aliança estratégica das duas empresas, que prevê que a estatal brasileira ceda os direitos de participação de 35% no campo da Lapa e 22,5% no campo de Iara por 1,95 bilhão de dólares. Segundo a Petrobras, “as transações ajudarão a mitigar riscos, fortalecer a governança corporativa e melhorar o financiamento da empresa”.

– Conselho de administração da Eletrobras aprova a alienação da participação acionária da empresa na Energisa MT, o que representará a entrada de até 276 milhões de reais no caixa da companhia.

 

16/01

– Em 2017, Petrobras atingiu recorde de produção média de petróleo no Brasil, pelo quarto ano consecutivo. A marca de 2,15 milhões de barris por dia foi 0,4% superior à do ano anterior.

– BNDES abre consulta pública para fechar parcerias com fintechs, para o canal do desenvolvedor MPME. O objetivo do banco de fomento é investigar soluções tecnológicas em serviços como educação financeira, análise de crédito, matching de soluções financeiras e leilões reversos de crédito para financiamento. O prazo para recebimento de comentários termina em 15 de março.

– JHSF confirma informação divulgada pelo jornal Valor Econômico e diz que estuda fazer uma oferta de ações após a finalização da reestruturação societária atualmente em curso. A companhia anuncia também que deverá consolidar a atividade de shopping centers em uma de suas subsidiárias.

 

18/01

– Ministério Público de São Paulo ajuíza ação civil pública contra o BNY Mellon exigindo o ressarcimento de 8,2 bilhões de reais ao Postalis, fundo de pensão dos funcionários dos Correios, por prejuízos causados à fundação. O MP afirma que “a ré praticou atos irregulares que dilapidaram o patrimônio do Postalis e ao longo dos últimos anos, apurações da Previc resultaram em autuações contra o Postalis que demonstram a responsabilidade da ré pelos prejuízos ao descumprir diversas regras da legislação vigente”.

– Eletropaulo informa avaliar a possibilidade de uma oferta pública de ações, dentre outras alternativas, para o financiamento de suas atividades. Mas não há, por enquanto, qualquer decisão a respeito.

– Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) torna-se membro do Programa de Competência e Proteção ao Consumidor na América Latina (Compal). Segundo o órgão, a adesão fortalecerá os vínculos de cooperação e a troca de conhecimento entre autoridades da região.

 

19/01

– Consórcio formado por CCR e RuasInvest Participações vence leilão para operação das linhas 5-Lilás e 17-Ouro do metrô paulistano, tendo ofertado 553 milhões de reais pelas concessões de 20 anos.

– Petrobras informa que evoluem as tratativas junto à Odebrecht para a revisão do acordo de acionistas da Braskem. A petroleira informou que estudos para reorganização societária, envolvendo unificação das espécies de ações da Braskem, estão em fase preliminar.

– Burger King comunica o encerramento de sua oferta de ações e a captação total de 1,98 bilhão de reais. O preço fixado por ação foi de 18 reais.

 

 




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Tulipa ou Amazon?
Próxima matéria
A um passo da regulação



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Tulipa ou Amazon?
As criptomoedas viraram uma febre. O bitcoin, a mais famosa delas, começou valendo pouco. Depois, subiu, subiu, subiu...