Stablecoins ameaçam estabilidade de mercados de crédito

Agência de classificação de risco emite alerta sobre moedas lastreadas em títulos de dívida



Stablecoin, em tradução literal, significa “moeda estável”. O termo se refere às moedas digitais que são lastreadas em ativos reais, como o ouro e principalmente o dólar, para diminuir a volatidade de suas cotações.  Hoje, muitas stablecoins — incluindo a mais famosa delas, a tether — não são totalmente lastreadas em dinheiro, e sim numa mistura de títulos de dívida de curto prazo e outros ativos de menor liquidez. E, ironicamente, o último relatório da agência de classificação de risco Fitch sugere que os efeitos disso no mercado financeiro podem ser o contrário do que o nome “stablecoin” sugere.  

Segundo a agência, os mercados mundiais de crédito de curto prazo podem sofrer uma desestabilização caso haja um movimento brusco de resgate e, portanto, de conversão dessas criptomoedas em dinheiro tradicional. Nesse cenário, alerta a Fitch, a stablecoin poderia ser tornar um risco sistêmico para o mercado financeiro. 

O tamanho desse impacto pode ser ilustrado a partir da stablecoin tether. Em março de 2021, a theter era lastreada em títulos de dívida de curto prazo que somados atingiam cerca de 20,3 bilhões de dólares. O montante supera o valor que os principais fundos de investimentos dos mercados americano e europeu têm em títulos de dívida.  

O alerta da Fitch chega num momento em que os reguladores aumentam o escrutínio sobre o potencial impacto dos ativos digitais nos mercados financeiros tradicionais. Recentemente, o anúncio de que a Associação Diem, apoiada pelo Facebook, e o Silvergate Bank planejam emitir uma nova stablecoin aumentou a preocupação em relação à adoção desse tipo de moeda digital em grande escala. Em junho, o presidente da distrital do Federal Reserve em Boston, Eric Rosengren, foi incisivo: as stablecoins serão uma preocupação em termos de estabilidade a menos que os órgãos reguladores ajam rapidamente.   

Leia também

Open banking: nova fase, outros riscos

DeFi: o revolucionário — e incerto — futuro do sistema financeiro

CEOs como influenciadores digitais

O lado obscuro das Spacs


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  moedas digitais DeFi Stablecoins Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
O que esperar da privatização da Eletrobras
Próxima matéria
Financiamento da regularização fundiária urbana pelo mercado de capitais



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
O que esperar da privatização da Eletrobras
Governança em estatais encontro online O que esperar da privatização da Eletrobras Suno Research, FGV e Comissão...