Será o ano dos unicórnios? 

Mal começou 2021 e já surgem notícias de novos valuations de startups superiores a 1 bilhão de dólares — e também no Brasil



O ano dos unicórnios

Imagem: freepik

Em 2020, a concorrência foi forte nos mercados. A palavra pandemia dominou praticamente todos os fóruns de discussão — e não poderia mesmo ter sido diferente. Ao lado dela, os tão propalados aspectos ambientais, sociais e de governança, reunidos na onipresente sigla ESG. No mundo corporativo e entre os investidoresas duas expressões fizeram sombra a termos antes bastante midiáticos, como criptomoedas e unicórnios, que, agora, parecem estar de novo no páreo. O ano de 2021 mal começou e muitas atenções se voltaram para nova corrida do bitcoin e para a enxurrada de startups se juntando ao cada vez menos exclusivo clube das empresas novatas, tecnológicas e disruptivas avaliadas em pelo menos 1 bilhão de dólares. 

Dados da plataforma PitchBook mostram que nos primeiros dias de janeiro já haviam captado recursos capazes de elevar os respectivos valuations à casa do bilhão de dólares nomes como Color (testes diagnósticos e logística de distribuição de vacinas), Hinge Health (tecnologia aplicada à área de saúde)Dremio e Andreessen Horowitz (análises de dados), Lace Work (segurança cibernética), Divy (sistema financeiro), Quantum Metric (consultoria de produtos digitais), Sales Loft (consultoria de otimização de vendas) e Harness (desenvolvedora de plataforma de distribuição de softwares). 

Essas empresas engrossam a lista de centenas de unicórnios existentes no mundo e têm a companhia de um novo nome brasileiro. Depois de ter recebido um aporte equivalente a 190 milhões de dólares, a MadeiraMadeira, varejista de móveis, também passou a ser associada à figura mítica. Curiosamente, o salto da empresa foi favorecido pela expressiva demanda por artigos para residências — que, por causa da pandemia, de uma hora para outra se transformaram em escritórios, salas de aula e academias. Mas o nome da varejista já circulava na bolsa de apostas para os novos unicórnios brasileiros. Agradam os investidores o modelo da operação e o fato de a MadeiraMadeira contar com uma empresa própria de logística. 

O Brasil, assim, começa o ano com 16 unicórnios. No ecossistema das startups, três deles costumam ser segregados do grupo, por já terem aberto o capital — PagSeguro, Arco Educação e Stone. Elas são conhecidas como IPO-grifos, uma alcunha que mistura a sigla da transação de listagem na bolsa com a figura da mitologia com corpo de leão e cabeça de águia. Em 2020 se tornaram unicórnios Loft, Vtex, Creditas e C6 Bank. E, agora, o rol conta com MadeiraMadeira. Completam o “time” 99, Nubank (também chamado de “decacórnio”, por ter superado valuation de 10 bilhões de dólares), IFood/MovileGympassLoggi, Quinto Andar, Ebanx e Wild Life. 

Excesso de liquidez 

Além dos evidentes e enormes potenciais de crescimento em áreas que requerem saída rápida para dificuldades das pessoas, está por trás da recente disseminação dos unicórnios um fator que não tem nada de novo na teoria econômica. Em um cenário de liquidez alta (ou seja, investidores com dinheiro no bolso), juros extremamente baixos (ou negativos) na maior parte dos países, necessidade de aplicação de novas tecnologias a atividades tradicionais e problemas (novos e velhos) carentes de uma solução, nada mais razoável que sejam demandados ativos de maior risco, mas capazes de gerar bons retornos. É o casamento perfeito, cujos frutos nascem como unicórnios. 

Que o diga o japonês Softbank, figura fundamental na formação de startups bilionárias no Brasil. O banco aportou recursos em rodadas de investimento de cinco dos 16 unicórnios nacionais. De acordo com o relatório “Corrida dos unicórnios 2020”, divulgado em fevereiro do ano passado pela Distrito Dataminer, o Softbank até então havia participado de rodadas de aportes em startups brasileiras que movimentaram cerca de 1,5 bilhão de dólares.  

Na indústria brasileira de venture capital, por sinal, há a presença recorrente de alguns nomes, além do Softbank. São assíduos nas rodadas de investimento, conforme mostra o estudo da Distrito DataminerKaszek Ventures, MonasheesRedpoint Ventures, Valor Capital Group, QED InvestorsQualcomm Ventures, Tiger Global Management, Endeavor Catalyst e Sequoia Capital. De capital nacional, apenas a Monashees. 

Operações B2C 

O estudo da Distrito Dataminer ainda não foi atualizado com os dados de 2020, mas os unicórnios dos últimos meses corroboraram uma tendência interessante que já vinha se desenhando até 2019. A maioria dessas empresas opera com B2C, com produtos e serviços oferecidos diretamente ao consumidor final, diferentemente da esmagadora maioria das startups nacionais, que atuam no chamado B2B, intermediando soluções para outros negócios. Essa peculiaridade tem explicação e ela está no chamado custo de aquisição de clientes, muito maior no caso do B2C — em que as despesas com propaganda e marketing são mais expressivas. No B2B a quantidade de clientes é menor, o que torna esse modelo acessível a empresas incipientes. Já os unicórnios podem contar com um caixa mais robusto, dados os aportes que recebem. 

Em média, os unicórnios brasileiros alcançaram essa condição depois de seis anos de operação, mostra a edição 2020 do estudo. Mas chama a atenção a rapidez da Loft: apenas um ano e meio depois de ser fundada a startup já exibia o chifre único das empresas avaliadas em pelo menos 1 bilhão de dólares. Esse ponto fora da curva, no entanto, tem chances de se tornar mais comum ao longo dos anos, à medida que o ecossistema das startups for amadurecendo, com investidores mais cientes dos riscos das operações e capazes de avaliar melhor as empresas. 

A sequência de novos unicórnios mostra que de fato há espaço para essas empresas que se aventuram em novos caminhos para solucionar problemas, desburocratizar serviços e facilitar a vida das pessoas adotando tecnologias inovadoras. Mas em pelo menos um aspecto não conseguiram avançar quando comparadas a seus pares do mundo analógico: ainda têm uma longa jornada rumo à diversidade de gênero. Entre os 30 fundadores dos unicórnios listados no estudo de 2020 da Distrito Dataminer, apenas duas mulheres: Cristina Junqueira, do Nubank, e Mariana Paixão, da Loft. Talvez novos estudos, ao longo do tempo, possam explicar tamanha disparidade em empresas que já nasceram sob a luz do século 21. 

 

Leia também

Smart cities são desafio para os prefeitos brasileiros

Pandemia foi teste para os criptoativos — e eles passaram

Da ideia ao bilhão: como se formaram os unicórnios made in Brazil


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Negócios disruptivos unicórnios Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Não deixa de ser irônico
Próxima matéria
Mais apetite para riscos e ativos ilíquidos 



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Não deixa de ser irônico
Não é todos os dias que se vê o mais alto executivo de uma bolsa de valores de tênis e bermudão, na praia, pessoalmente...