Racismo entra na pauta de CEOs e instituições financeiras

Pressionadas pelos protestos da última semana, empresas se dizem dispostas a contribuir para a equidade racial

Bolsas e conjuntura/Reportagens / 5 de junho de 2020
Por 


Imagem: pch.vector/ Freepik

Apenas quatro dos CEOs das 500 maiores empresas dos Estados Unidos listadas pela revista Fortune são negros. A clara falta de representatividade evidencia a demora do mundo corporativo em incorporar os princípios de equidade racial.

Mas o assassinato de George Floyd por um policial branco em Mineapolis e os intensos e prolongados protestos que se seguiram ao episódio não permitiram que altos executivos de companhias americanas permanecessem em silêncio. Na última semana, muitos se manifestaram publicamente para condenar o racismo.

“A morte de George Floyd é uma prova chocante e trágica de que devemos almejar muito mais do que um futuro ‘normal’ e construir um que atenda aos mais altos ideais de igualdade e justiça”, afirmou o CEO da Apple, Tim Cook, em carta aberta.

Mark Zuckerberg (Facebook), Jamie Dimon (J.P. Morgan) e Bob Swan (Intel) também se pronunciaram contra a violência policial que tirou a vida de Floyd. Para Rosabeth Moss Kanter, professora da Harvard Business School, é natural que grandes executivos defendam mudanças em direção à equidade racial porque ela atinge diretamente seus negócios.

“Sabemos que alguns problemas, como o encarceramento desproporcional de homens negros ou a falta de financiamento para a educação pública, exigem ação do governo. Mas os líderes empresariais podem formar um poderoso lobby para auxiliar nessa mudança”, escreveu em sua coluna na CNN Business.

Ação concreta

A filantropia tem sido o principal canal de atuação concreta das grandes empresas frente à revolta popular. Na sexta-feira 29 de maio, o YouTube anunciou uma doação de 1 milhão de dólares para uma ONG de promoção de equidade.

Dois dias depois Zuckerberg afirmou que Facebook vai doar 10 milhões de dólares para a causa. No dia 3 de junho foi a vez da Disney, que informou a doação de 5 milhões de dólares para ONGs dedicadas à defesa de justiça social.

A maior doação até o momento foi comunicada pelo Bank of America: 1 bilhão de dólares, montante a ser gasto durante os próximos quatro anos, para diminuir a desigualdade racial nos Estados Unidos, que ficou ainda mais evidente com a pandemia de covid-19.

A benevolência com as contribuições financeiras, no entanto, não deve ser suficiente para barrar questionamentos, como o que cobra das grandes companhias a efetiva inclusão da agenda da diversidade racial em seus negócios e investimentos. O conglomerado japonês Softbank fez uma espécie de mea culpa ao admitir não ter feito o suficiente para mitigar os impactos do racismo.

“No que diz respeito à diversidade, o SoftBank tem que se sair melhor como empregador, investidor e parceiro”, diz o diretor de operações da empresa, Marcelo Claure, em carta enviada aos seus funcionários no dia 3 de junho.

Como primeiro passo na direção da agenda antirracista, o Softbank anunciou o lançamento de um fundo de 100 milhões de dólares para investimento em empresas lideradas por negros e não brancos americanos.

O fundo investirá em empresas que usam a tecnologia para gerar soluções inovadoras e doará uma parte dos recursos captados a organizações dedicadas à criação de “oportunidades para pessoas não brancas”.

A carta do grupo nipônico também comunica a criação de um programa de diversidade e inclusão para corrigir falhas na contratação de grupos sub-representados, especialmente para posições de liderança e diretoria.


Leia também

Como os mercados podem contribuir com a luta contra o racismo

Nova lei é insuficiente para estimular endowment funds no Brasil

“Títulos de coronavírus” captam 151,5 bilhões de dólares


 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CEOs diversidade filantropia racismo Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
“Títulos de coronavírus” captam 151,5 bilhões de dólares
Próxima matéria
Como os mercados podem contribuir com a luta contra o racismo



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
“Títulos de coronavírus” captam 151,5 bilhões de dólares
A crise humanitária e econômica provocada pela pandemia de covid-19 criou um nicho inusitado na categoria de títulos...