Private equity pode não suprir demanda por ativos ESG 

Estudo global da EY conclui que segmento não está preparado para aumentar a oferta de produtos financeiros alinhados a fatores socioambientais e de governança 



Private equity pode não suprir demanda por ativos ESG 

Imagem: Freepik

Muito se diz que, à medida que avança o capitalismo de stakeholders, o impacto socioambiental dos negócios se torna cada vez mais fundamental na escolha de produtos financeirosSegundo estudo anual conduzido pela consultoria EY, no entanto, a oferta de investimentos com recorte ESG via private equity não só está desapontando como pode não suprir as necessidades de grandes investidores em um futuro próximo. 

Para a pesquisa Global Private Equity Survey 2021  Are you exploring the future or just visiting it?, a EY entrevistou diretores de 127 gestoras de private equity na América do Norte, na Europa e na Ásia e 72 investidores institucionais que, juntos, têm 1,8 trilhão de dólares em ativos. A consultoria constatou que 49% dos investidores já contam com produtos de viés sustentável em suas carteiras. Além disso, 47% pretendem aumentar seus investimentos ESG via private equity e venture capital nos próximos três anos — entretanto, apenas 52% acreditam que há oferta suficiente desse tipo de produto para atender suas necessidades até 2024. 

O mercado, é claro, começou a se mexer para suprir essa nova demanda, mas esse movimento é desigual geograficamente. Dois terços dos gestores na Europa e na Ásia oferecem estratégias ESG para os clientes, mas apenas 28% dos gestores na América do Norte fazem o mesmo. Outro dado importante: enquanto a maioria das empresas de private equity contempla riscos ESG no processo de tomada de decisão, 32% não dão importância a esses riscos ou só começam a considerá-los depois que o desempenho dos investimento é afetado. Para a EY, aquelas que escolhem ignorar a influência de fatores ESG nos negócios podem involuntariamente criar portfólios que não refletem o risco verdadeiro dos ativos e que carecem de gerenciamento adequado, o que faz os retornos financeiros parecerem mais seguros do que realmente são. 

O estudo também mostrou quais riscos ESG as empresas de private equity consideram mais significativos. No topo da lista está a governança, sob a justificativa de que companhias bem administradas estão mais aptas a gerenciar riscos e capitalizar oportunidades. Nas segunda e terceira posições aparecem impacto ambiental e gestão de talentos — em último lugar estão as mudanças climáticas. A expectativa é de que a prioridade mude nos próximos anos, principalmente após a covid-19 ter deixado claro como questões socioambientais e de governança podem determinar a resiliência de uma empresa. “À medida que o comportamento social, político e cultural continuam a evoluir, especialmente em um mundo pós-covid-19, riscos ligados à cadeia de suprimento, à gestão de talentos, aos direitos humanos e às mudanças climáticas tendem a aumentar”, escrevem os autores do estudo. 

 

Leia também

Há risco de uma nova (e devastadora) bolha financeira?

Estudo sugere cautela com ETFs de nicho de mercado

Impacto da covid-19 no processo de captação de recursos por fundadoras de startups


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  private equity ESG Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Agentes autônomos: fim de exclusividade e portabilidade na pauta da CVM 
Próxima matéria
CVM quer reforçar pauta ESG nos relatórios das companhias  



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Agentes autônomos: fim de exclusividade e portabilidade na pauta da CVM 
Não é de hoje que as relações entre agentes autônomos de investimento e corretoras, permeadas por uma regulamentação...