Oito em cada dez companhias abertas planejam reforçar home office

Pesquisa da KPMG entrevistou conselheiros e membros de comitês de auditoria entre março e maio de 2020

Negócios e Inovação/Reportagens / 12 de junho de 2020
Por 


Oito em cada dez companhias abertas planejam reforçar home office

Imagem: pikisuperstar/ Freepik

Para proteger suas operações e seus funcionários durante a pandemia do novo coronavírus, muitas empresas aderiram forçosamente ao home office  principalmente a partir de março, quando a covid-19 se instalou com maior força no País. O início foi conturbado, mas agora o trabalho remoto parece ter conquistado seu lugar. Pesquisa feita em três etapas pela consultoria KPMG e divulgada em evento do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) mostrou que 84% das companhias abertas brasileiras pretendem rever suas políticas de trabalho remoto, seja para instaurar novas diretrizes (49%) ou para aprimorar as já existentes (34%).  

Esses números são relativos à terceira fase do estudo do ACI Institute da KPMGpara o qual foram ouvidos 130 membros de conselhos de administração, conselhos fiscais e comitês de auditoria entre 19 e 26 de maioNesse período, a porcentagem de companhias que desejavam estabelecer uma política de home office cresceu 8,8% em relação à segunda fase da pesquisa, conduzida entre 29 de abril e 6 de maio. Já o percentual de empresas que pretendem aprimorar as diretrizes já implementadas cresceu 2% na mesma base de comparação.    

Para Cátia Tokoro, membro da comissão de inovação do IBGC, o trabalho remoto faz parte de uma série de medidas relacionadas ao conceito de inovação que ganharam prioridade e foram aceleradas durante a pandemia. “O home office e a videoconferência são recursos que já estavam à disposição das empresas, mas eram usados com uma frequência muito menor. Com o isolamento compulsório, quem tinha preconceito com essas ferramentas teve que se adaptar”, afirma.  

Vice-presidente do conselho de administração do IBGC, Ieda Novais observa ainda que as reuniões virtuais deram maior objetividade às discussões desses colegiados nas empresas. “Houve um período de adaptação à tecnologia, principalmente por causa da senioridade de grande parte dos conselheiros. Passada essa fase de aprendizado, percebemos hoje mais pontualidade e produtividade nas reuniões”, diz. Novais afirma que os benefícios serão suficientes para que o formato continue no pós-crise, principalmente se aplicado de forma híbrida, ao lado do encontro presencial.   

A digitalização chegou inclusive às assembleias de acionistas, que desde 1976 eram feitas presencialmente por força da Lei das S.AsDiante das circunstâncias extremas impostas pela pandemia, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) passou a permitir, por meio da Instrução 622/20encontros 100% remotosSegundo levantamento da B3, ao menos 37 empresas listadas já optaram pelo novo formato e fizeram assembleias integral ou parcialmente virtuais.  

A adoção maciça do home office e das conferências virtuais, no entanto, gera desafios relacionados à segurança e à proteção das informações acessadas remotamente. “A cibersegurança é um assunto que tomou uma proporção maior com a escalada do processo de digitalização. Esse é um ponto que as companhias devem estar cada vez mais atentas daqui para frente”, ressalta Tokoro. 


Leia também

Flexibilidade das fintechs faz a diferença durante a pandemia

ICOs e STOs são alternativas viáveis para financiamento de empresas?

O dia seguinte dos negócios pós-pandemia



Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  companhias abertas inovação ​governança corporativa Coronavírus home office Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Empresas são convocadas para a linha de frente do movimento Black Lives Matter
Próxima matéria
Localiza emite opinião em boletim de voto a distância e gera controvérsia



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Empresas são convocadas para a linha de frente do movimento Black Lives Matter
A morte de George Floyd reacendeu — não apenas nos Estados Unidos, mas no mundo inteiro — o movimento Black Lives Matter,...