Pesquisar

|

|

Pesquisar
Close this search box.
O mercado de títulos de dívida precisa de mais resiliência
Iosco teme que nova crise possa se abater sobre esses ativos e busca soluções
O mercado de títulos de dívida precisa de mais resiliência
Receio da Iosco é que agora que os bancos centrais estão aumentando os juros para controlar a inflação e começando a reverter seus programas de compra de títulos corporativos, o caos se instale novamente | Imagem: freepik

Não é novidade que a crise causada pela pandemia de covid-19 estremeceu os mercados de títulos de dívida corporativa em todo o mundo. Para tentar evitar que o caos se repita em novas situações críticas, a International Organization of Securities Commissions (Iosco), que representa órgãos reguladores de diversos países, está determinada a encontrar maneiras de melhorar a liquidez e o funcionamento desse mercado.

Criado na década de 80, ele sofreu um boom após a crise financeira de 2008, quando os bancos passaram a reduzir o acesso a crédito. Como saída, as companhias recorreram à emissão de títulos de dívida para financiar suas atividades. “O funcionamento ordenado do mercado de dívida corporativa é crucial para as necessidades da economia real. E os acontecimentos de março de 2020 nos levam a questionar o que pode ser feito para aprimorá-lo”, afirma o secretário-geral da Iosco, Martin Moloney.

Uma das principais preocupações da organização é com a liquidez desses títulos. Normalmente, ela já é baixa se comparada com os mercados de ações e títulos públicos, mas, durante a pandemia, mingou ainda mais. Nas duas primeiras semanas de março de 2020, a oferta de novos títulos de dívida ficou estagnada na maioria dos países, o que prejudicou as negociações no mercado secundário e gerou distorções nos preços. Diante desse quadro, os bancos centrais se viram obrigados a cortar as taxas de juros e a lançar programas emergenciais de compra de títulos de dívida corporativa como forma de evitar um colapso maior nos mercados globais. 

O receio é que agora que os bancos centrais estão aumentando os juros para controlar a inflação e começando a reverter seus programas de compra de títulos corporativos, o caos se instale novamente. “Temos que pensar em alternativas para reforçar a resiliência do mercado de títulos de dívida. Sua liquidez é fraca e, se houver uma súbita e forte pressão vendedora, pode ser que ele não seja capaz absorvê-la”, observa Moloney.

Para estimular o debate sobre o assunto, a Iosco publicou um relatório detalhado a respeito do tema e espera comentários do mercado até o dia 6 de julho.

Matérias relacionadas

A expansão do mercado de distressed assets

A origem dos “homens fortes”

Declínio de bancos e IPOs preocupam CEO do JP Morgan

Estímulo ao capital estrangeiro


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 9,90/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

Acompanhe a newsletter

Leia também

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.