Novo diretor da CVM desagrada mercado

Na próxima terça-feira, dia 5 de julho, a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal vai sabatinar Henrique Balduíno Machado Moreira, indicado pelo presidente interino Michel Temer para o cargo de diretor da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A chegada de Moreira deixará o …



Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

Na próxima terça-feira, dia 5 de julho, a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal vai sabatinar Henrique Balduíno Machado Moreira, indicado pelo presidente interino Michel Temer para o cargo de diretor da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A chegada de Moreira deixará o colegiado da autarquia completo — com quatro diretores, além do presidente, Leonardo Pereira. No entanto, o que poderia ser um sinal de alívio para o mercado, teve efeito contrário. A falta de especialização do novo diretor em assuntos ligados ao mercado de capitais provocou uma onda de críticas e acentuou a insatisfação com a autarquia.

Moreira é advogado, mas não tem experiência em questões societárias ou ligadas ao sistema de distribuição de valores mobiliários. Até ser indicado ao novo posto, ocupava o cargo de secretário da diretoria do Banco Central. “Me parece estranho a CVM ter um diretor sem conexão com a área e totalmente desconhecido dos participantes do mercado”, disse uma fonte que preferiu não ser identificada.

CVM_S37_Pt2

O fato de Moreira ser oriundo do regulador bancário é outro foco de críticas. “Isso evidencia o desprestígio da CVM. Mais uma pessoa totalmente distante do mercado de capitais chega à CVM”, afirmou um ex-integrante do colegiado, referindo-se também ao diretor Gustavo Borba. Empossado no ano passado, Borba exibe, em seu currículo, funções em outras áreas do Direito, como procurador do Estado do Rio de Janeiro e procurador regional da junta comercial. Nos bastidores, a constatação é de que, ao contrário dos presidentes anteriores da CVM, Pereira não conseguiu emplacar suas próprias indicações.

O receio do mercado é justificável diante do estoque de 42 processos sancionadores que Moreira herdará de sua antecessora, Luciana Dias. Os casos foram redistribuídos a outros diretores no segundo semestre do ano passado, quando Luciana estava em licença-maternidade e ainda integrava o quadro oficial da autarquia. Mas com o fim de seu mandato e a chegada do substituto, o que ainda não foi julgado ficará a cargo de Moreira — exemplos são processos que envolvem Eike Batista e empresas do Grupo X, fraudes do Banco Panamericano e o caso de manipulação de mercado em torno da empresa de participações RJCP.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais diretor CVM Comissão de Assuntos Econômicos Henrique Balduíno Machado Moreira Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Combinação explosiva
Próxima matéria
O caminho torto do aumento de capital



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Combinação explosiva
Elon Musk é o bilionário por trás de alguns dos empreendimentos mais inovadores do momento — a Tesla, que está...