MSCI adverte: esforços das empresas estão longe de conter crise climática

Levantamento com mais de 9 mil companhias abertas aponta falhas na divulgação de dados e no cumprimento de reduções de emissão de carbono



O objetivo do Acordo de Paris de limitar o aquecimento global a menos de 2°C até o final do século, preferencialmente a 1,5°C, é uma tarefa complexa. A urgência, finalmente, impactou investidores e reguladores, cada vez mais atentos ao avanço da pauta em companhias abertas, mas os esforços estão longe de conseguir conter a crise climática. No ritmo atual de emissões de gases de efeito estufa, as empresas com ações listadas em bolsa de valores ultrapassarão os limites estabelecidos pelo Acordo de Paris em pouquíssimo tempo — 5 anos e 6 meses. 

A conclusão é do MSCI, provedor global de dados e índices para investidores. O relatório MSCI Net-Zero Tracker avalia 9.260 empresas de 50 economias desenvolvidas e emergentes, que representam 99% dos ativos negociados em bolsas mundiais. Este grupo de companhias é rastreado pelo índice MSCI ACWI Investable Market Index (IMI), capaz de calcular a contribuição coletiva das empresas para o total de emissões de gases de efeito estufa, mostrando o progresso do mercado de capitais na transição para uma economia de baixo carbono.  

As empresas rastreadas pelo MSCI ACWI IMI emitem, anualmente, cerca de 10,9 bilhões de toneladas de gases de efeito estufa de forma direta, o que corresponde ao Escopo 1 do Acordo de Paris. Considerando somente essa categoria, em 2026 as empresas já terão esgotado suas cotas de emissões para limitar o aquecimento global a 1,5°C — e, em 2042, a cota para manter o aumento da temperatura abaixo de 2°C. 

Mercados atrasados 

A análise do MSCI também identificou os maiores emissores que não conseguiram atender aos critérios de divulgação exigidos por investidores institucionais, interessados em compreender o que fazem as companhias abertas para reduzir riscos climáticos. A lista de retardatários é liderada por empresas estatais listadas na Índia e na China, incluindo algumas gigantes como a Coal India, a Shaanxi Coal and Chemical Industry e a China State Construction Engineering. 

O fato de companhias indianas e chinesas ocuparem o topo da lista faz lembrar a fala recente de Larry Fink, CEO da BlackRock, na qual ele afirma que a transição para uma economia neutra em carbono precisa ser justa e não pode deixar os países emergentes para trás. “O desenvolvimento econômico em cada mercado emergente vai depender do quão rapidamente eles se tornarão verdes. Isso também exigirá enormes quantidades de capital. Precisamos repensar a forma como instituições financeiras internacionais podem apoiar em escala investimentos de baixo carbono”, disse Fink durante conferência paralela ao encontro do G-20 no domingo, dia 11. 

Frear o aquecimento global em 1,5°C exigirá que as empresas listadas limitem coletivamente as futuras emissões a 61,4 gigatoneladas até 2050. Agir em conjunto será mais necessário do que nunca. O que não se sabe é se haverá tempo suficiente. 


Nota 
Confira o estudo do MSCI na íntegra aqui 

Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
O que esperar da privatização da Eletrobras
Próxima matéria
A vitória do setor imobiliário sobre a covid-19



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
O que esperar da privatização da Eletrobras
Governança em estatais encontro online O que esperar da privatização da Eletrobras Suno...