Mercado global de investimentos vai ter que mudar em 2021 

Papel do setor privado na reconstrução global pós-pandemia deve ser guiado por reforço na infraestrutura e na correção de desigualdades 



Liquidez não falta no mundo, mas pesquisas e especialistas já têm alertado que para esse novo mundo é necessário um novo modelo para a indústria global de investimentos | Imagem: freepik

A pandemia ainda não terminou, mas já parece claro que os sustos, as dores e os aprendizados dos últimos 11 meses vão forçar uma reestruturação do mercado global de investimentos a partir de 2021. Diante das incertezas quanto à dinâmica das vacinas e da realidade de economias depauperadas pelas paralisações impostas pelo novo coronavírus, vai sobrar para todo mundo: de companhias emissoras de valores mobiliários a gestoras de recursos, passando por fundos de pensão e reguladores. 

A disseminação descontrolada da doença causada pelo vírus, além de apresentar graves problemas com os quais os governos foram obrigados a lidar, serviu como alerta para questões ainda mais complexas relacionadas ao clima e às desigualdades sociais. Nessa dinâmica, é provável que nos próximos anos aumente de maneira significativa a demanda por investimentos em infraestrutura — inclusive de sistemas de saúde, cujas deficiências foram escancaradas durante a emergência sanitária — e em energias renováveis, tanto em países ricos quanto nos pobres e emergentes. 

O fato de os governos, mesmo os negacionistas e resistentes, terem liberado montanhas de recursos para garantir um mínimo de atividade econômica nos períodos agudos da pandemia evidentemente deixou os tesouros nacionais limitados por questões orçamentárias. O funding, então, precisa vir de bolsos privados. Liquidez não falta no mundo (o chamado “capital não alocado”), mas pesquisas e especialistas já têm alertado que para esse novo mundo é necessário um novo modelo para a indústria global de investimentos. 

Onda ESG 

Um levantamento recente da PwC concluiu que o processo de recuperação pós-pandemia (seja lá quando for esse “pós”) vai empurrar uma reformulação da indústria de investimentos, que precisará contar com ferramentas para adaptar os fundos de crédito privado ao novo cenário mundial e com novas estratégias alternativas. Tudo para escoar o dinheiro para as áreas que realmente vão fazer a diferença para as sociedades nos próximos anos, especificamente infraestrutura e desenvolvimento sustentável. 

O contexto vai forçar os agentes de mercado a encarar um descasamento que não se sustenta por muito tempo. Um exemplo: o levantamento da PwC verificou que três quartos dos investidores europeus se dizem dispostos a, num prazo de apenas dois anos, não mais alocar recursos em fundos que não incorporem os fatores ESG (sociais, ambientais e de governança). Parece bem em linha com o que acadêmicos e especialistas não cansam de comentar sobre essa segunda década do século. Pois bem. A mesma pesquisa mostrou que apenas 14% das gestoras de recursos europeias estão planejando deixar de lançar produtos não ESG. Há um evidente descompasso entre as demandas dos investidores e os planos de negócios das assets no mercado europeu, que sempre serve de farol para os demais quando se trata de ESG. Não é muito difícil imaginar quem vai vencer essa disputa, e é bem provável que os gestores tenham que se adaptar. 

Diversidade 

É pertinente associar a eclosão da pandemia a um problema ambiental, já que o vírus saltou de um animal silvestre para o homo sapiens por uma evidente exploração indevida da natureza. Mas igualmente relevantes são a gigantesca desigualdade social antes escondida em rincões de pobreza e a absurda disparidade entre gêneros e etnias quando se trata do mundo corporativo. Não à toa, esse é outro assunto da agenda 2021 da indústria de investimentos. 

Num recente depoimento, o chefe da Securities and Exchange Comission (SEC), Jay Clayton, que está deixando o cargo, alertou para o péssimo trabalho das assets americanas nesse sentido. Faltam diversidade e inclusão, afirmou. E não só nas empresas em que investem. Um estudo da Harvard Business School concluiu que só 1,3% das assets do país (mercado de 69 trilhões de dólares) são de propriedade de mulheres ou de representantes de minorias. Num mundo pós-covid e com uma vice-presidente dos Estados Unidos negra vai ser difícil manter esse véu por muito tempo. 

 

Leia também

Forte propósito corporativo gera resultados financeiros melhores

Os estrangeiros estão de volta. Mas até quando?

Conceito por trás do “S” é colocado à prova 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
É preciso falar sobre o conceito de materialidade na auditoria 
Próxima matéria
Informação enxuta e mais transparência: a nova cara da Instrução 480 



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
É preciso falar sobre o conceito de materialidade na auditoria 
Já há algum tempo se ouve, durante as reuniões em que os auditores independentes apresentam aos responsáveis por demonstrações...