DeFi entra na pauta de reguladores globais

Grupo que atua contra a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo reivindica regras para plataformas



DeFi entra na pauta de reguladores globais
O grupo intergovernamental Financial Action Task Force (FATF) alertou reguladores globais para a questão, reivindicando que regras sejam aplicadas para supervisionar indivíduos que detêm, desenvolvem ou operam plataformas DeFi | Imagem: freepik

Desenvolvidas a partir da tecnologia de blockchain, as plataformas DeFi são baseadas em contratos inteligentes que fornecem serviços e produtos tipicamente associados ao sistema financeiro tradicional, como empréstimos e negociação de ativos. O volume de dinheiro transacionado nessas plataformas é impressionante. Segundo a ferramenta de monitoramento DeFi Pulse, o valor depositado em contratos inteligentes nesses ambientes subiu de 10,3 bilhões de dólares em janeiro de 2020 para 103 bilhões de dólares no último mês. Exorbitante, o crescimento acendeu um sinal amarelo dentro do Grupo de ação financeira contra a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo (conhecido também pela sigla FATF ou GAFI).

Na semana passada, o grupo intergovernamental reivindicou que os reguladores globais criem regras para supervisionar indivíduos que detêm, desenvolvem ou operam plataformas DeFi. De acordo com relatório da instituição, alguns projetos DeFi são mais centralizados do que seu marketing sugere e, portanto, poderiam seguir regras de combate à lavagem de dinheiro aplicáveis a provedores de serviços de ativos virtuais. “É bastante comum que os contratos inteligentes DeFi digam ser descentralizados, mas, na verdade, uma pessoa controla ou influencia a operação. Por isso, é importante que os reguladores definam esses contratos corretamente”, pontua o relatório.

Falhas de segurança

O FATF também chamou a atenção para a pouca segurança dessas plataformas. De fato, elas já sofreram diversos ataques hackers. O último aconteceu na quarta-feira, dia 27, e causou um rombo de 130 milhões de dólares no serviço de empréstimos Cream Finance. Em agosto, a vítima foi a plataforma de criptomoedas Poly Network, que viu 600 milhões de dólares evaporarem de repente. 

Além dessa fragilidade, os sistemas DeFi são suscetíveis a falhas operacionais causadas por códigos mal feitos. Neste ano, a DeversiFi fez erroneamente um depósito de 24 milhões de dólares, que, originalmente, deveria ser de 100 mil dólares. Cada vez mais comuns, esses casos indicam que esse mercado precisa mesmo de supervisão.



Leia também

O frágil cerco ao mercado de criptoativos

As moedas digitais podem desbancar o dólar?

DeFi: o revolucionário — e incerto — futuro do sistema financeiro


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  DeFi Blockvhain Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
As múltiplas crises por trás do apagão da cadeia de suprimentos
Próxima matéria
O peso das expressões



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
As múltiplas crises por trás do apagão da cadeia de suprimentos
Vacinação da população e injeção de liquidez nas economias intensificaram uma crise múltipla de oferta, energia e...