Pesquisar
Close this search box.
Cultura de trabalho tóxica da Rio Tinto serve de alerta
Relatório mostra que funcionários eram vítimas de bullying, racismo e sexismo
Cultura de trabalho tóxica da Rio Tinto serve de alerta para companhias
21 funcionárias da Rio Tinto relataram terem sofrido estupros ou tentativas de estupro nos últimos cinco anos | Imagem: freepik

A mineradora anglo-australiana Rio Tinto, que tem operações também no Brasil, surpreendeu o mercado no  começo deste mês com a divulgação voluntária de um relatório que apresenta dados alarmantes sobre sua cultura de trabalho. Elaborado pela ex-comissária de discriminação sexual da Austrália, Elizabeth Broderick, o documento expôs ao mundo o ambiente racista e sexista ao qual os funcionários da companhia estão submetidos. As descobertas servem de alerta, num momento em que os investidores se mostram cada vez menos tolerantes com empresas que desrespeitam seus colaboradores, o meio ambiente e a sociedade.

A investigação de Broderick ouviu 10 mil funcionários da mineradora. Nas pesquisas, 21 mulheres relataram terem sofrido estupros ou tentativas de estupro nos últimos cinco anos. No total, 30% das funcionárias e 7% dos funcionários disseram que já foram sexualmente assediados no trabalho. O relatório também relata que racismo e bullying são problemas sistêmicos na companhia.

A ex-comissária descreve ainda uma “cultura do silêncio” na Rio Tinto, que pelo menos nos últimos cinco anos protegeu os abusadores e abafou as queixas feitas por mulheres, membros da comunidade LGBTQIA+ e pessoas não brancas. Testemunhas disseram que não acreditavam que o reporte dos comportamentos abusivos à companhia trariam consequências para os abusadores e temiam colocar suas carreiras em risco.

“É fantasioso pensar que esses problemas são exclusividade da Rio Tinto, da Austrália, ou mesmo do setor de mineração”, afirma Helen Thomas, colunista do Financial Times. “As descobertas demonstram o abismo existente entre o discurso afável dos administradores das empresas e a realidade do dia a dia, e o ‘vazio’ dos investimentos ESG que confiam em documentos para fazer suas avaliações”, observa.

Em entrevista ao Financial Times, o presidente da empresa, Jabok Stausholm, disse que sentiu “vergonha e grande pesar ao descobrir até que ponto bullying, assédio sexual e racismo acontecem na Rio Tinto”. A companhia disse que vai trabalhar para identificar e corrigir as estruturas que permitiram que essa cultura tóxica se estabelecesse.

Assédio moral e sexual são problemas frequentes no setor. A mineradora BHP, concorrente da Rio Tinto, informou no ano passado que desde 2019 demitiu 48 trabalhadores por assédio. Nesse cenário, a divulgação voluntária do relatório pela Rio Tinto surge como um aceno positivo. Um sinal de que existem companhias dispostas a reconhecerem publicamente seus erros e a tomarem as rédeas da situação.

Leia também

Femtechs avançam com demanda pulsante

Nubank dá golpe de jiu-jitsu na pauta ESG

Nasdaq pode exigir cotas para LGBTQ+ nos conselhos


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.