Pesquisa TozziniFreire e Capital Aberto

Perspectivas para 2018: as fronteiras da inovação, os limites da privacidade, as novas relações do trabalho. Assista aos vídeos!

Tecnologia e Inovação/Reportagem / 17 de dezembro de 2017
Por 


A tecnologia promete desafiar os profissionais do ambiente jurídico corporativo em 2018. A delicada questão da privacidade no mundo do big data, as surpreendentes rupturas causadas pela inovação e até mesmo os robôs que fazem o trabalho dos advogados são alguns dos temas com os quais esses executivos terão de conviver no próximo ano. A revolução proporcionada pelo crescimento acelerado do uso de algoritmos e da inteligência artificial suscita não apenas oportunidades como também dilemas jurídicos e éticos nunca antes enfrentados. “É preciso juntar informações de forma anônima, mas com o máximo de detalhes possível. Assim conseguiremos encontrar as repetições e [usar essa informação para] melhorar a vida das pessoas”, diz Matheus Moraes, diretor jurídico, de comunicação e políticas da 99.

O tema é especialmente crítico em setores como o de saúde, por exemplo. No Hospital Sírio Libanês, a questão da inovação e do uso das informações é pensada a todo tempo, sempre sob a ótica do que faz sentido para o propósito do grupo. “Alguém gostaria de ter suas informações pessoais divulgadas para um plano de saúde?”, questiona Aline de Almada Messias, diretora jurídica e de compliance do Sírio.

Outro aspecto que tende a ocupar os departamentos jurídicos em 2018 são as novas leis trabalhistas. As incertezas sobre o posicionamento dos juízes acerca do tema serão objeto de reflexões sobre como aderir. “Espera-se algo como 5 a 10 anos até que os pontos mais críticos cheguem a uma decisão do STF [Supremo Tribunal Federal]”, diz Carlos Henrique Barroso, gerente geral jurídico da Lojas Renner. Mores, da 99, revela-se mais otimista: “A gente gosta de dizer que cada motorista é o CEO da sua empresa, e sua empresa é o seu carro, mas ainda existe uma discussão retrógrada em torno disso. O avanço da legislação mostra que esse conceito está mudando”, comemora. Os três executivos debateram a convite da Capital Aberto e do escritório TozziniFreire em encontro realizado no dia 22 de novembro. Assista aos vídeos com os melhores momentos da conversa.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
O informe sobre o código brasileiro de governança é um excesso de regulação?
Próxima matéria
Pontos sensíveis



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
O informe sobre o código brasileiro de governança é um excesso de regulação?
SIM Nair V. Saldanha  nsaldanha@bocater.com.br é sócia de Bocater, Camargo, Costa e Silva, Rodrigues Advogados Como...