PDG torna-se 20ª companhia aberta em recuperação judicial

Seletas / Bolsas e conjuntura / Reportagem / 24 de fevereiro de 2017
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

A PDG levou, no dia 22, seu pedido de recuperação judicial ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), motivada por dívidas que somam R$ 7,8 bilhões. Se a solicitação for acatada, a incorporadora se somará a outras 19 companhias abertas registradas na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que estão em recuperação judicial. A lista tem nomes conhecidos, como a telefônica Oi e as empresas oriundas do Grupo X de Eike Batista.

O pedido de recuperação da PDG já era esperado pelo mercado. A incorporadora ganhou corpo em 2003, com o aporte de um fundo de private equity do Pactual, e ingressou na BM&FBovespa em 2007. Em 2012, quando a empresa já passava por dificuldades, a gestora Vinci Partners tornou-se a principal acionista da companhia e assumiu também as rédeas da administração (leia mais na reportagem “A virada da PDG”).

Em 2015, a incorporadora iniciou um processo de reestruturação de dívidas que culminou na celebração de um acordo com Bradesco, Itaú Unibanco, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e Votorantim. O esforço, contudo, não surtiu o efeito esperado, e a situação da companhia continuou se agravando com dificuldades como queda nas vendas, número crescente de distratos e interrupções de obras.

Uma nova rodada de conversas com credores foi iniciada em novembro passado, sob a assessoria da RK Partners. A administração, no entanto, acabou por reconhecer que a recuperação judicial é a melhor alternativa para a empresa. “O conselho de administração ponderou que ainda não foi possível encontrar, no âmbito extrajudicial, uma solução sustentável para a crise financeira por que passa o grupo PDG”, informou a companhia no comunicado de fato relevante enviado ao mercado. A recuperação, afirma a empresa, é a medida mais adequada para coordenação de todos os envolvidos do processo de reestruturação, manutenção da atividade operacional da companhia e proteção do caixa da PDG e de suas controladas.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  crise financeira PDG recuperação judicial dívidas incorporadora reestruturação financeira Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Mercado Financeiro – Conceitos, Participantes e Tributação
Próxima matéria
Na CVM, Eike Batista terá que enfrentar ao menos sete julgamentos




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Mercado Financeiro – Conceitos, Participantes e Tributação
Descrição: Apresentar a dinâmica de funcionamento do mercado financeiro nacional, da formação de taxa de juros,...