“O movimento de reformas continuará”

Por que Mark Mobius e outros gestores de recursos permanecem otimistas com o Brasil

Bolsas e conjuntura / Reportagem / 27 de maio de 2017
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

Presidente-executivo do Templeton Emerging Markets Group, Mark Mobius concedeu uma entrevista à CAPITAL ABERTO em julho de 2016 — um mês antes da saída definitiva de Dilma Rousseff da presidência da República —, na qual se dizia otimista com o Brasil. “O mercado brasileiro já teve uma recuperação e, por isso, pode cair novamente, mas a tendência de mais longo prazo é ascendente. Por longo prazo entendo os próximos três anos”, afirmou Mobius à época. Dez meses depois — e com uma crise política no Palácio do Planalto detonada pela delação premiada do empresário Joesley Batista —, o gestor mantém sua visão positiva, principalmente porque as reformas necessárias ao avanço do País “já têm força própria”.

“Não esperamos uma paralisação nesse processo. É claro que a capacidade de Michel Temer para influenciar o Congresso é importante, mas mesmo sem ele acreditamos que o movimento de reformas continuará”, afirma Mobius. Os últimos acontecimentos, enfatiza, evidenciam a importância de uma visão de longo prazo quando se investe em mercados emergentes. “O mercado acionário brasileiro continua cheio de oportunidades, e choques como o atual podem ajudar a ‘destravar’ o valor das ações”, observa Mobius. No blog da Templeton, ele comentou que “atualmente vê oportunidades em quase todos os setores, simplesmente porque o mercado está deprimido em todas as direções”. Nesse contexto, afirma, os segmentos que mais interessam à gestora são o bancário e varejista.

Gestor de fundos e sócio-fundador da Trópico Investments, Fernando Camargo Luiz também está confiante na continuidade das reformas. Na avaliação dele, o pânico de 18 de maio (a bolsa recuou 8,8% e o dólar subiu 8% naquele dia) foi decorrente de falta de informação. Tanto que, nos dias seguintes ao caos, a situação se acomodou, com o real em alta e o Ibovespa em movimento de correção de exageros. Após recuar para 61.597 pontos em 18 de maio, o Ibovespa fechou a sexta-feira 26 em 64.085 pontos, o que representa uma alta de 4,04%. Já o dólar, que havia alcançado 3,389 reais no auge da crise, recuou para 3,256 reais em 26 de maio, queda de cerca de 4%.

O fato de o País já ter ingressado em uma curva de recuperação econômica também ameniza o impacto. A queda da inflação e dos juros puxa o consumo, que deverá ser fortalecido a partir do segundo semestre, conforme expectativa de economistas. Além disso, na última sexta-feira, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, divulgou uma boa notícia. De acordo com ele, o poder de compra da população aumentou 3% no primeiro trimestre em relação ao quarto trimestre do ano passado. “A conjuntura atual exige certa cautela, mas continuamos animados com Brasil. A nossa meta de alocar cerca de 700 milhões de dólares nos próximos três ou quatro anos em empresas no Brasil permanece firme”, ressalta Piero Minardi, sócio-diretor da Warburg Pincus no Brasil.

Na avaliação de Renato Abissamra, sócio da Spectra Investimentos, o movimento de revitalização da economia não se encerra com eventual saída de Temer. Para ele, em uma eleição indireta, um grupo muito alinhado ao atual governo tende a vencer a disputa. “Tudo o que foi feito gerou uma inércia positiva”, diz.

A confiança dos investidores explica por que, apesar da hecatombe provocada pela delação dos irmãos Batista, as empresas não desistiram de suas captações. No dia 24, o Carrefour arquivou na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) prospecto preliminar da oferta inicial de ações de sua subsidiária Atacadão — a emissão pode movimentar, no início do segundo semestre deste ano, cerca de 8 bilhões de reais. “Será importante para o mercado um IPO desse tamanho”, destaca Minardi. Outra notícia positiva foi a conclusão, no dia 23, da oferta subsequente de ações da BR Malls, que arrecadou aproximadamente 1,7 bilhão de reais. Diante da resiliência das companhias, a expectativa do mercado continua sendo de que as ofertas de ações movimentarão algo entre 25 bilhões e 30 bilhões de reais em 2017.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  crise Mark Mobius recessão reformas ambiente econômico Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Verde Asset inicia arbitragem contra Contax em busca de dividendos
Próxima matéria
Os pontos mais polêmicos da reforma dos segmentos especiais de listagem




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Verde Asset inicia arbitragem contra Contax em busca de dividendos
A Verde Asset Management, gestora comandada por Luis Stuhlberger, iniciou um processo arbitral contra a empresa de call...