Investidores enfrentam dificuldades no primeiro ano de uso do boletim de voto

Seletas / Companhias abertas / Reportagem / Edição 71 / 24 de março de 2017
Por 
Ilustração: Rodrigo Auada A temporada 2017 de assembleias ordinárias (AGOs) ainda nem chegou ao seu auge, mas já promete ser emblemática. Neste ano, as normas da Instrução 561 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que criou o boletim de voto a distância, passam a ser obrigatórias...

Este conteúdo é restrito a assinantes! Faça login >

paywall2 paywall

Se já é assinante, faça login:



Participe da Capital Aberto: Assine Experimente Anuncie


Tags:  bmfbovespa mercado de capitais assembleia companhias abertas AGO AGE voto à distância boletim de voto Instrução 561

Compartilhe: 


Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Produtividade — por que é tão baixa?
Próxima matéria
CVM lança programa para oferta de dívida com registro automático




Recomendado para você




1 comentário

Mar 26, 2017

As dificuldades existem. Um verdadeiro jogo de empurra entre as cias e custodiantes. O investidor fica sem ter a quem recorrer.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Produtividade — por que é tão baixa?
O último artigo, “O outro lado da ponte”, mostrou que a produtividade no Brasil é muito baixa — corresponde a apenas...