Empresas oferecem serviços relacionados a boletim de voto

O uso do boletim de voto, sistema que permite a participação remota em assembleias gerais ordinárias (AGOs), começa a ser obrigatório apenas em 2017, quando as cem companhias integrantes do IBrX-100 deverão seguir o estabelecido na Instrução 561 da CVM. Em 2018, irão no mesmo caminho as demais …

Seletas/Companhias abertas/Edição 24/Reportagem / 1 de abril de 2016
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

O uso do boletim de voto, sistema que permite a participação remota em assembleias gerais ordinárias (AGOs), começa a ser obrigatório apenas em 2017, quando as cem companhias integrantes do IBrX-100 deverão seguir o estabelecido na Instrução 561 da CVM. Em 2018, irão no mesmo caminho as demais empresas emissoras de ações. A demanda por serviços relacionados ao boletim, portanto, ainda não existe — mas a oferta está a todo vapor. Ao menos três players se preparam para atuar nesse nicho.

Entre eles estão a MZ, dona da plataforma Assembleias Online, e a Firb, proprietária da Assembleias na Web. Ambas exploram o mercado de procurações eletrônicas de voto e afirmam ter adaptado seus sistemas para também prestar serviços relacionados ao boletim. “Podemos fazer a análise da documentação que valida a participação do acionista, além de receber e contar os votos enviados diretamente para a companhia”, afirma Denys Roman, sócio da MZ. Na largada, apenas as empresas são clientes em potencial, mas o executivo cogita oferecer serviço semelhante para custodiantes e bancos depositários — agentes que estão igualmente obrigados a receber votos conforme os ritos previstos na Instrução 561.

O terceiro integrante do grupo é o Mesquita Pereira, Marcelino, Almeida, Esteves Advogados. A banca é conhecida por explorar o serviço de procuração no formato mais tradicional — participa de assembleias por todo o País representando cerca de 4 mil fundos de investimentos, na maioria estrangeiros. O perfil distinto daquele das concorrentes pode gerar uma vantagem competitiva para o escritório.

Voto_S24_Pt2

O Mesquita Pereira já possui um sistema informatizado dedicado ao monitoramento de todas as assembleias: organiza as pautas de deliberação e gera relatórios que abastecem seus clientes, os custodiantes. Estes, por sua vez, repassam as informações para os gestores de fundos que, então, decidem como votar, o que gera uma procuração para que o escritório os represente. Por causa dessa expertise, a banca incluirá no pacote de serviços a customização do boletim — o documento foi desenvolvido pela CVM para funcionar como um roteiro padrão de todas as situações passíveis de deliberação numa AGO, mas precisa ser adaptado conforme as necessidades e as particularidades de cada companhia. “O serviço de terceirização custará entre R$ 5 mil e 7 mil por companhia”, informa Daniel Alves Ferreira, sócio do Mesquita Pereira. Os três prestadores de serviços estão em busca do primeiro cliente para usar os novos sistemas.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  voto à distância boletim de voto Instrução 561 Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
A atividade de RI e os indicadores ESG
Próxima matéria
Um andar acima



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
A atividade de RI e os indicadores ESG
Os profissionais de relações com investidores (RIs) interessados em ampliar sua base acionária não podem ignorar...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}