Empresas brasileiras na mira dos estrangeiros

A desvalorização cambial é hoje um dos principais atrativos para os investidores estrangeiros interessados em adquirir companhias brasileiras. Com a consolidação dos setores financeiro e de infraestrutura, o mercado de fusões e aquisições (M&A) nacional deve ser mais movimentado em 2016. A análise …

Seletas/Fusões e aquisições/Edição 21/Reportagem / 11 de março de 2016
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

A desvalorização cambial é hoje um dos principais atrativos para os investidores estrangeiros interessados em adquirir companhias brasileiras. Com a consolidação dos setores financeiro e de infraestrutura, o mercado de fusões e aquisições (M&A) nacional deve ser mais movimentado em 2016. A análise é de Ubiratan Machado, coordenador do subcomitê de fusões e aquisições da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). A instituição divulgou na última quarta-feira o balanço das operações de M&A de 2015.

As empresas chinesas, observa Machado, são as principais interessadas em investir no País — elas buscam empreendimentos de longo prazo, especialmente no setor elétrico. Segundo ele, caso o cenário econômico fique mais estável, é possível que esse movimento se expanda para outros segmentos. Entre as companhias chinesas atentas a oportunidades no Brasil está a State Grid, maior empresa elétrica do mundo, que tem plano de investir R$ 15 bilhões no setor de energia local. A empresa deve anunciar a compra de pelo menos um dos seus três alvos: a goiana Celg-D e as paulistas CPFL e Eletropaulo.

Empresas internacionais

No ano passado, ofertas públicas de aquisição de ações (OPAs), reestruturações societárias e operações de M&A somaram
R$ 109,5 bilhões, valor 43,2% menor do que o registrado em 2014. As aquisições de empresas brasileiras por companhias estrangeiras corresponderam a 43% desse volume (o equivalente a R$ 47,1 bilhões); as corporações asiáticas tiveram participação de 20,3% nessas compras.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Investidores estrangeiros China OPA Desvalorização cambial Empresas chinesas Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Canais de financiamento à infraestrutura se fecham
Próxima matéria
Fevereiro fecha sem emissão de debêntures



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Canais de financiamento à infraestrutura se fecham
Faz tempo que a crise política e a recessão econômica prejudicam a captação de recursos pelas empresas. Porém,...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}