Driblando a crise

Seletas / Edição 5 / Companhias abertas / Reportagem / 16 de dezembro de 2015
Por 


Premio_S5_Pt

Ilustração: Grau 180.com.

O Prêmio As Melhores Companhias para os Acionistas chega este ano à sua décima edição. Promovido pela CAPITAL ABERTO, ele homenageia companhias que conseguiram se destacar em cinco critérios: liquidez, criação de valor — medida pelo Economic Value Added (EVA) —, retorno total para o acionista (TSR, na sigla em inglês), governança corporativa e sustentabilidade. Num ano marcado por forte instabilidade no cenário político e econômico, a conquista dessas companhias é uma façanha.

Ao todo, foram analisadas cem empresas cujas ações apresentaram os maiores índices de liquidez na BM&FBovespa entre 1º de abril de 2014 e 31 de março de 2015. As vencedoras em cada categoria foram aquelas que tiveram notas superiores à mediana do grupo nos cinco itens analisados. Uma mostra de como a turbulência econômica tem solapado as companhias são as medianas de EVA e TRS registradas nesta edição do prêmio. A criação de valor foi negativa para todas as categorias analisadas. Os números também são decepcionantes no quesito retorno total para o acionista: para se ter uma ideia, na categoria de empresas com valor de mercado de até R$ 2 bilhões, a mediana do retorno total para o acionista menos o custo de capital (TRS-ke) ficou em -63,5%.

Uma boa notícia veio das notas de governança, que apresentaram ligeira melhora em todas as categorias. Foram avaliadas práticas relacionadas a transparência, conselho de administração, ambientes de controles e direitos dos acionistas.

Assim como no ano passado, o prêmio de 2015 trouxe algumas surpresas. Na categoria de companhias com valor de mercado de até R$ 2 bilhões, um banco médio — o ABC Brasil — figura entre os campeões. O segredo do sucesso está no modelo de negócio do ABC, concentrado na oferta de crédito a grandes e médias companhias, que costumam apresentar índices de inadimplência mais baixos. Ao adotar esse caminho, a instituição escapou de dois nichos conturbados: o de crédito consignado (em que há forte concorrência) e o de empréstimo a empresas de pequeno porte (mais suscetíveis à desaceleração da economia).

Há também empresas que, para chegar ao pódio, precisaram se remodelar. É o caso do Fleury, que abocanhou o primeiro lugar entre as empresas com valor de mercado entre R$ 2 bilhões e R$ 5 bilhões. Um ano e meio após ter iniciado um complexo processo de reestruturação, a companhia de medicina diagnóstica colhe os frutos desse trabalho, que envolveu fechamento de unidades, cancelamento de contrato com a Unimed-Rio e retorno para o público premium.

Confira abaixo as ganhadoras do prêmio:

As vencedoras por valor de mercado
Premio_S5_Pt2

Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  prêmio as melhores companhias para os acionistas crise Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
CVM determina OPA no caso Sofisa sete anos após aumento de participação
Próxima matéria
O que esperar da legislação brasileira para o equity crowdfunding?




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
CVM determina OPA no caso Sofisa sete anos após aumento de participação
No ano passado, a Associação de Investidores no Mercado de Capitais (Amec) apresentou à CVM um estudo sobre a demora na realização...