Caso Embraer-Tempo faz CVM se pronunciar sobre convivência de boletim de voto e proxy card

Seletas / Companhias abertas / Reportagem / Edição 74 / 13 de abril de 2017
Por 
As assembleias gerais ordinárias (AGOs) de 2017 estão dando o que falar. A introdução do boletim de voto, obrigatório para as 94 companhias mais líquidas da bolsa de valores segundo a Instrução 561, colocou em pauta a mobilização dos investidores. Além de abrir as portas para o voto...

Este conteúdo é restrito a assinantes! Faça login >

paywall2 paywall

Se já é assinante, faça login:



Participe da Capital Aberto: Assine Experimente Anuncie


Tags:  CVM Embraer Tempo Capital AGE assembleia geral ordinária voto à distância boletim de voto Instrução 561 proxy card

Compartilhe: 


Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Passados 40 anos da Lei das S.As., embates entre controladores e minoritários persistem
Próxima matéria
Minoritários disputam assentos no conselho fiscal da Petrobras




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Passados 40 anos da Lei das S.As., embates entre controladores e minoritários persistem
Na minha última contribuição à Seletas, prometi abordar as operações de reestruturação da companhia e as situações...