Amec pede à CVM para fiscalizar companhias que se distanciam de seu objeto social

Seletas / Companhias abertas / Reportagem / Edição 56 / 11 de novembro de 2016
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

Um investidor compra ações de uma companhia que explora petróleo, mas acaba também acionista de uma operadora de telefonia em recuperação judicial. O caso é real. A PetroRio, novo nome da HRT, é acionista da Oi. Seu nome figurou entre os sócios que participaram de uma assembleia da telefônica em julho passado. A situação, noticiada por SELETAS em agosto, preocupou o mercado. No último dia 7 de novembro, a Associação dos Investidores no Mercado de Capitais (Amec) pediu à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para fiscalizar as companhias que operam ao largo de seu objeto social ou “da percepção do mercado do que deveria ser o objeto social”.

A investida da PetroRio sobre a Oi tem um pano de fundo conturbado. A petroleira é controlada por Nelson Tanure, também sócio minoritário da Oi. O empresário tornou-se um acionista relevante da telefônica após a companhia pedir recuperação judicial e, apesar da participação minoritária de pouco mais de 6%, emplacou uma completa renovação do conselho de administração — justamente na assembleia em que a PetroRio despontou como acionista.

amec_s56_pt2

O estatuto social da PetroRio prevê que a empresa compre “participação em outras sociedades como sócia, acionista ou quotista, no País ou no exterior, independentemente de sua atividade”. A redação desse tipo de cláusula, diz a carta da Amec (sem citar o nome da empresa), funciona como um cheque em branco que torna inócua a própria cláusula estatutária definidora do objeto social — que, segundo a Lei das S.As., deve ser claro e preciso. “Afinal, qual seria a utilidade de uma cláusula definidora do objeto social se por meio da participação em outras companhias a companhia investida pudesse exercer atividade diferente daquela prevista em seu objeto social?”, questiona Mauro Cunha, presidente
da entidade.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM Oi Amec HRT objeto social PetroRio Tanure Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Área técnica da CVM ganha autonomia para avaliar OPAs
Próxima matéria
Muito além das áreas de P&D




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Área técnica da CVM ganha autonomia para avaliar OPAs
As ofertas públicas de aquisição de ações (OPAs) poderão ficar mais céleres. Por meio da Deliberação 756, publicada...