De volta ao básico

Guia prático para transformar o conselho de administração em fórum de criação de valor

Prateleira/Edição 116 / 1 de abril de 2013
Por 


Na esteira dos escândalos corporativos do início deste século, a introdução da lei Sarbanes-Oxley e o ativismo de grupos de acionistas potencializaram a importância da governança corporativa. O impacto dessas mudanças tem provocado pressões e transformações nos conselhos de administração. Esse é o pano de fundo da obra do renomado consultor americano Ram Charan, autor de vários livros sobre gestão empresarial. Após anos de pesquisa em vários conselhos, ele oferece sugestões práticas para um problema crônico: a frágil conexão entre as ações desse órgão e o desempenho das companhias.

Uma das últimas “caixas-pretas” corporativas em um mundo cada vez mais transparente, o conselho de administração por muito tempo teve características cerimoniais. Hoje, ele está livre dessa condição, mas ainda longe do que Charan considera ideal. Ele advoga que os conselhos devem ambicionar o grau de “progressistas”. Isso quer dizer que não devem estacionar na cômoda definição de “preservar o capital dos acionistas” por meio de aderência à regulação e mera prestação de contas, mas sim buscar agregar valor ao negócio com iniciativas objetivas, processos claros e liderança engajada.

O livro vai além da retórica da governança, trazendo a teoria para o “chão de fábrica” dos conselhos. Identifica questões-chave das quais o órgão deve se ocupar e modos de estruturar processos que sustentem uma dinâmica positiva nas interações. A obra é dividida em três partes. Na primeira, Charan rapidamente caracteriza a evolução dos conselhos e comenta sobre o que é preciso para se tornar progressista. Na segunda, trata dos assuntos nos quais os conselheiros deveriam focar sua contribuição, como: sucessão do CEO, remuneração da diretoria, refinamento e aprovação de estratégia, acompanhamento de lideranças, monitoramento de desempenho e gestão de risco. Essa é a parte mais densa do livro, recheada de exemplos objetivos, tabelas e princípios que transformam o bom senso em ações práticas. Trata-se de um material que, literalmente, tem aplicação no dia seguinte à leitura. A terceira parte aborda a manutenção da dinâmica produtiva dos conselhos progressistas por meio de processos claros e a eventual utilização de assessoria externa (consultores e investidores).

Um dos obstáculos mais complicados para a evolução dos conselhos é a dinâmica do próprio grupo de conselheiros. O estabelecimento de um ambiente positivo para o trabalho em conjunto, a comunicação transparente e o espaço de debate construtivo são fundamentais para agregar valor à empresa. A criação e manutenção dessa atmosfera dependem de uma liderança forte e comprometida, principalmente para que o grupo mantenha o olhar em assuntos relevantes.

Embora o meio empresarial brasileiro, de controle tipicamente concentrado, estimule uma dinâmica diferente nos conselhos de administração, a preocupação com o valor agregado é tão presente quanto nos mercados mais desenvolvidos. Nesse sentido, o livro de Charan é excelente para provocar a reflexão em conselheiros e postulantes à posição. Em um mundo ávido por novidades de gestão que celebra gurus instantâneos, nada melhor do que praticar o sábio adágio: “de volta ao básico”.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CEO livro Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Amor à diversidade
Próxima matéria
Capitalismo e jabuticaba



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Amor à diversidade
Mulheres não são boas negociadoras. Andrea Chamma faz a observação, fruto dos seus 27 anos de atuação na área financeira,...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}