Capitalistas iluminados

Histórias inspiradoras de empresários que praticaram a difícil arte de casar resultados com promoção do bem social

Governança Corporativa/Prateleira / 6 de dezembro de 2019
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Imagem: divulgação

Em agosto de 2019, o Business Roundtable, associação integrada pelos CEOs das principais empresas americanas, divulgou um documento em defesa de uma mudança fundamental no foco empresarial. Segundo o manifesto, as empresas deveriam buscar atender os interesses de todos os stakeholders (clientes, empregados e sociedade) em vez de ter como objetivo o mantra da maximização do retorno aos acionistas. A nova faísca, acesa por um grupo improvável, reacende um debate tão antigo quanto o próprio capitalismo: qual a função social das empresas?

James O’Toole, o autor de Enlightened Capitalists, certamente não tinha ideia de que sua obra seria publicada num momento tão propício para esse debate. Em linhas gerais, o livro cobre a história de vários homens e mulheres de negócios que buscaram alinhar os objetivos de lucratividade a práticas virtuosas junto a empregados e suas comunidades — do britânico Robert Owen no século 19 ao varejista americano John Cash Penney e a Anita Roddick, fundadora da marca The Body Shop.

As cerca de 500 páginas descrevem suas trajetórias e os trade-offs que enfrentaram, traçando paralelos entre suas ideias e motivações. Seria natural associar o pensamento vanguardista desses empreendedores ao conceito moderno de “bottom line triplo” (ASG, de ambiental, social e governança), mas rapidamente percebe-se que seu foco estava mais circunscrito ao bem-estar dos colaboradores. À medida que as biografias se aproximam do momento atual, as demais dimensões passam a ocupar seu espaço de forma mais explícita.

Embora o autor cante em prosa e verso a virtude desses capitalistas, duas questões emergem recorrentemente: as práticas “iluminadas” raramente sobrevivem à sucessão na liderança e elas só funcionam enquanto os resultados econômicos são positivos. Outra condição fundamental é o controle acionário concentrado nas mãos do líder empresarial, tipicamente em arranjos de controle familiar. Nesse sentido, se o dono de 100% de um negócio decide privilegiar colaboradores e comunidades em detrimento de maiores resultados, não há conflito de governança, pois ele só presta contas a si mesmo. No entanto, à medida que as empresas crescem e buscam recursos junto ao público investidor, a questão ganha complexidade. Afinal, como compatibilizar a tomada de decisões empresariais com os objetivos dos investidores institucionais e as práticas iluminadas junto aos colaboradores?

Esse é o ponto mais frágil da defesa que o autor faz desses “heróis”, e que também nos remete ao manifesto do Business Roundtable. Líderes empresariais modernos têm sofrido pressão crescente de cidadãos, consumidores e governos para atender a demandas sociais e ambientais. A nova geração de colaboradores/consumidores também anseia por valores corporativos guiados por propósitos elevados, muitas vezes determinando suas escolhas por onde trabalhar e o que consumir. Mas a definição de estratégias empresariais não pode prescindir de uma função-objetivo sem ambiguidade, que explicite o dever fiduciário dos agentes (gestores) para com os principais (acionistas): maximizar o retorno dos recursos sob gestão no longo prazo, de forma sustentável (sorria, Milton Friedman!). Nesse ambiente competitivo, uma interpretação possível sobre o manifesto é que tratar os objetivos ASG na estratégia empresarial seja simplesmente “good business”, e não filantropia corporativa. O resto é cortina de fumaça de executivos regiamente pagos.


The Enlightened Capitalists: Cautionary Tales of Business Pioneers Who Tried to Do Well by Doing Good

James O’Toole

Editora Harper Business

592 páginas

1a edição ― 2019


Peter Jancso é sócio da Jardim Botânico Investimentos e conselheiro independente


Retorno ao acionista perde prioridade

Conselhos devem estar atentos à questão da saúde mental

O perigo do purpose washing



Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  stakeholders ESG Business Roundtable Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
O perigo do purpose washing
Próxima matéria
O mercado de capitais em 2020



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
O perigo do purpose washing
Se fosse possível traduzir em uma única palavra o que significou o ano de 2019 para o mundo corporativo ela seria “propósito”....