O futuro do futuro

Profissional de venture capital dá conselho para empresas interessadas em futurologia

Tecnologia e Inovação/N@ Web / 4 de novembro de 2017
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

No ambiente empresarial, se antecipar é crucial. Ainda mais diante do surgimento cada vez mais veloz das chamadas tecnologias disruptivas. Mas, como bem observa João Kepler Braga, sócio da firma de venture capital Bossa Nova Investimentos, qualquer exercício de futurologia é mera especulação. “Imaginamos como será o futuro, mas a verdade é que, no mundo dos negócios, ninguém sabe exatamente como serão as empresas nos próximos 15 anos”, escreveu, em seu LinkedIn. Mesmo companhias como Google, Apple, Facebook e Amazon, diz Braga, não sabem o que esperar exatamente. Diante disso, a recomendação do executivo é que as companhias pratiquem o “re – reaprender, refletir, replanejar e refazer”, “tudo ao mesmo tempo e em tempo real”. A postagem ganhou perto de 160 curtidas. “As empresas digitais não sabem qual será o futuro, então elas simplesmente decidem como o futuro será e começam a construí-lo”, comentou o empreendedor Joaquim Venancio, CEO de uma startup de soluções para comunicação entre vizinhos.

 




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  venture capital tecnologia Negócios disruptivos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Desafios e prioridades
Próxima matéria
Fundos fechados passam a ser tributados semestralmente



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Desafios e prioridades
Nomeado presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) no último mês de agosto, Marcelo Barbosa é o entrevistado...