Novos tempos, velha história

Internautas discutem alternativas para a Petrobras

Companhias abertas/N@ Web / 30 de maio de 2018
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Nos últimos dias, o Brasil parece ter voltado ao passado, com prateleiras vazias nos supermercados e filas nos postos de combustíveis. Na Petrobras, um velho hábito também retornou: a empresa, que havia recuperado valor de mercado com uma gestão supostamente mais independente do governo, cedeu à pressão política e anunciou redução no preço do diesel (leia também reportagem sobre o assunto). No Twitter, não faltaram críticas à companhia, reclamações sobre o alto preço do combustível e pessoas pedindo ora para estatizar, ora para privatizar a petroleira. “Modelo de sociedade mista para a companhia não funciona. Ou é inteiramente estatal, como na maior parte do mundo, sem preocupação em dar lucro para acionista, ou inteiramente de mercado. Não dá para ser metade de cada, dando banana para o acionista privado quando conveniente”, comentou um usuário.

Autor do livro Crash – uma breve história da economia, o jornalista Alexandre Versignassi observou, em sua página do Facebook, que a política de controle de preços deu prejuízos à companhia e a fez perder valor; já a política de flutuação acabou gerando uma crise no País. “Se houvesse competição no mercado nacional de petróleo, a disputa por mercado poderia levar a preços razoáveis. Por outro lado, precisaríamos de uma medida protecionista, para evitar desabastecimento. Mesmo assim, trata-se de uma discussão filosófica, já que levaria uma geração até a Petrobras perder seu monopólio”, escreveu.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Petrobras Facebook Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Ameaça das fake news à concorrência
Próxima matéria
Nova chance



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Ameaça das fake news à concorrência
Hoje o mundo anda às voltas com as fake news. Embora a mentira não seja propriamente uma novidade do século 21, é inegável...