Defesa do cerrado na assembleia da BlackRock

Em interferência incomum, indígena brasileiro reclama de investimentos da gestora em empresas que desmatam

Relações com Investidores/N@ Web / 7 de junho de 2019
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

A BlackRock realizou, no fim do último mês de maio, sua assembleia anual em Nova York. Mas desta vez um episódio inusitado movimentou o tradicional encontro: o indígena brasileiro Luiz Eloy Terena (devidamente paramentado com adereços de sua etnia) se manifestou para tentar chamar a atenção da gestora, que tem investimentos em empresas agrícolas que, segundo ele, desmatam o cerrado. A BlackRock não comentou a inesperada intervenção. No Twitter, a ativista Moira KB, ligada ao movimento AmazonWatch, relatou que também estava na assembleia e que criticou o CEO, Larry Fink, por não ter levado em consideração as palavras de Eloy. Moira KB e Eloy entraram na assembleia como acionistas, adotando uma tática comum de ativistas para fazerem com que suas pautas sejam ouvidas — ou, pelo menos, que tenham repercussão.


Leia também

O caminho sem volta do investimento de impacto

Ameaças climáticas exigem nova abordagem das empresas

BlackRock alerta para falta de precificação do risco climático 




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  BlackRock Larry Fink Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
SEC aprova regulação para melhorar serviços ao investidor
Próxima matéria
MP 876 busca diminuir burocracia na constituição de empresas



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
SEC aprova regulação para melhorar serviços ao investidor
A partir de agora, na relação entre investidores e corretores ou assessores de investimento nos Estados Unidos deve...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}